quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

11/02/2008 - TRISTE RETRATO DO MEU PAÍS


Hoje fui trabalhar empolgada porque de noite ia numa brazilian party em Breckenridge. Era aniversário do Jayme, meu amigo gaúcho que mora lá com mais dez cariocas. Ele ficou o dia inteiro no trabalho me falando sobre a festa, contando que eles compraram um monte de bebida, luz, som, que a festa seria de arromba e eu poderia levar meus amigos americanos.

Então convidei todos os meus amigos mas só o Drew e a Ashleigh toparam a parada. O Drew veio nos buscar aqui em casa às nove da noite, passamos no Summit Cove pra dar uma carona pra mais 3 brasileiros e chegamos na festa às dez.

Tudo estava indo perfeitamente bem, eu e meus dois camaradas americanos ficamos meio deslocados porque na festa só tinha brasileiro e todos só falavam português então fiquei fazendo sala pros meus amigos. Lá por onze e meia da noite o Drew quis ir embora. A Ashleigh estava começando a ficar bêbada demais, o que na verdade era muito estranho porque ela só tomou dois drinks de vodka e energético e um shot de tequila. E a gente bebe muito mais do que isso quase sempre e não fica naquele estado.

Então eu disse pra ela que o Drew já estava no carro nos esperando, que ela fosse indo pois eu ia no banheiro. Quando saí do banheiro e não vi mais a Ashleigh, me despedi do Jayme e dos poucos brasileiros que conhecia na festa, que realmente estava bombando, e fui pro carro. Mas a Ashleigh não tava lá. Então voltei pra procurar ela, entrei em todos os quartos, pedi pra acenderem a luz porque não se enxergava nada na sala, mas os idiotas não acenderam. Então comecei a perguntar onde estava a minha amiga pra todo mundo na festa, e um cara veio com uma câmera me mostrando o que ela estava fazendo… vi uma foto de um cara lambendo ela e na mesma hora me subiu o sangue porque a Ashleigh tem namorado, ela é completamente apaixonada por ele e eu sabia que havia algo de errado em alguém fotografando ela sendo chupada por um idiota qualquer naquela merda de festa, então perguntei, onde ela está e o cara apontou o lugar.

Cheguei no closet próximo ao hall de entrada e ela estava esparramada no chão, completamente mole e desacordada, com um gordo escroto em cima dela, e um monte de cara em volta olhando. Fiquei possessa. Empurrei todos os doentes que estavam lá olhando, chutei o gordão, ele caiu de lado e esmurrei duas vezes a cara dele, uma porrada deu no lado da cabeça e a outra no pescoço, eu estava cega, errei o nariz do cara em duas tentativas, então o cara conseguiu levantar e fugir.
Comecei a vestir minha amiga e arrastei ela até o hall de entrada pra colocar seus sapatos. De repente, um cara passou voando por cima da gente, uma briga estava rolando mas eu não tava nem aí, tudo que eu queria era colocar a porra da bota na minha amiga e cair fora daquela festa. Então o Jayme veio desesperado pedindo pelo amor de Deus, tira teu amigo americano da festa que os caras vão matar ele.

Não entendi nada, estava tentando tirar a minha amiga da festa, e o Drew supostamente era pra estar nos esperando no carro. Mas infelizmente ele voltou pra festa pra procurar a Ashleigh também e se meteu numa encrenca por pouca bosta, uma garota deu com uma garrafa de cerveja na cabeça dele, não se sabe se por querer ou não, então ele jogou cerveja na garota e o namorado dela foi pra cima dele, não só ele, mas seus amiguinhos cariocas bombados também. O Drew é tão pequenininho, magrinho, baixinho... que grande covardia, que monstros aqueles idiotas.

Resultado, meus dois amigos americanos foram corporamente e seriamente lesados. Arrastei a Ashleigh pro carro e o Drew estava nos esperando com a cara toda ensangüentada, deformada, suas mãos, tinha sangue por tudo… perdi o chão, e aqueles foram os piores momentos aqui em Keystone e provavelmente em toda a minha vida. Só senti algo pior quando meu pai morreu. O nó na garganta, o peso no peito, o desespero… um pesadelo.

Paramos no posto próximo a festa e ligamos pra polícia, eles chegaram em menos de dez minutos com uma ambulância e duas viaturas. Pegaram nossas identidades, o Drew foi pro hospital de ambulância, e eu fiquei explicando o que tinha acontecido pros policiais e quando eles tentaram interrogar a Ashleigh ela não falava nada, só resmungava coisas sem sentido.

Então eles levaram a Ashy pro hospital também porque ela estava visivelmente dopada, e eu fiquei encarregada de mostrar para os policiais onde era a festa. Entrei na viatura, apontei o caminho e fiquei dentro do carro, conforme eles mandaram.

Um tempo depois um dos policiais veio me buscar pra eu tentar reconhecer o estuprador mas ele não estava mais na festa. Então eles me levaram pro hospital também e lá um detetive veio me interrogar de novo e eu tive que reconstruir toda a história. Não parava de chorar um segundo.
Os policiais foram muito bacanas e me garantiram que com as informações que eu lhes dei seria fácil encontrar o filho da puta que estuprou minha amiga.

Depois eles me deixaram ver meus amigos, o Drew levou pontos no rosto e fez todos os tipos de exame. Está com cinco fraturas na face e felizmente não houve nenhum dano cerebral, mas vai ter que fazer uma cirurgia pra remover pedaços de ossos e colocar algumas platinas... A Ashleigh seria encaminhada para um setor de toxologia e seria submietida a uma série de exames corporais e de DNA e eu não poderia ficar com ela. Então às cinco da manhã os policiais me trouxeram pra casa.

Não tenho palavras pra explicar o quão mal eu estou. Estou me sentindo culpada por tê-los levado naquela merda de lugar. E o pior de tudo, estou morrendo de vergonha de ser brasileira. Por que aqueles playboyzinhos idiotas não espancaram o cara que tava estuprando minha amiga, não, os doentes ficaram lá olhando e ainda tiraram fotos daquela cena degradante. Estou revoltada. Triste, destruída por dentro, completamente sem norte e humilhada.

Mas não vai ficar assim. Não vou dormir enquanto não botar este filho da puta atrás das grades, onde ele provavelmente vai apodrecer se for julgado pela lei americana. E os playboyzinhos que bateram no meu camarada vão ter que gastar uma boa grana do seu rico dinheirinho pra pagar as contas de hospital, cirurgia, danos corporais, dias de trabalho que ele vai faltar e tudo mais.

É. Estes brasileiros que denegriram a nossa imagem aqui estão encrencados, e certamente vão pagar pelo que fizeram. Por que aqui, meus amigos, a lei é Lei. Aqui as coisas funcionam. Aqui os policiais existem para nos servir e proteger, e não para nos intimidar ou abusar do poder. Motivo pelo qual não, não quero mais morar no Brasil, eu tenho vergonha do meu país e sei que o que aconteceu nesta noite é um reflexo de quão banalizada é a violência aí e de como não temos mais valores.

Eu sinceramente espero que esses guris tenham irmãs, ou que um dia tenham filhas, e que se lembrem de que elas podem a qualquer momento estar nesta mesma situação.

Um comentário:

Anônimo disse...

Que foda guria, bem que uma amiga minha que voltou estes tempos me disse... que aí não rola ir em qualquer festa e nem sair com qualquer pessos, que é cheio de freak... Aqui agente anda por aí, vai em casa de gente que acabou de conhecer e não dá nada, aí não, aí as pessoas somem... O freaks não são light.
Beijos, se cuida