terça-feira, 30 de junho de 2009

Acústico Yan Lemos


O compositor, vocalista e guitarrista da Cosmonave - uma das bandas-revelação de 2008 em Curitiba - apresenta amanhã no Trip Bar suas canções em versão acústica. Yan Lemos (20), começou a compor aos 16 anos, após uma complicação de saúde identificada pelos médicos como miocardite (nome de uma de suas composições), obrigando-o a ficar dois meses internado, e quase o levando à morte. Apesar do gatilho que o impulsionou à música ter sido tão obscuro, não poderíamos esperar nada muito diferente. Filho de um dos mais importantes compositores da música paranaense, Lydio Roberto, e da cantora Cris Lemos (Grupo Nynphas e Tao do Trio), Yan traz consigo o talento no sangue e musicalidade à flor da pele. Leitor voraz de poetas malditos do ultra-romantismo, quem comparecer ao Trip na próxima quarta vai conferir um show de qualidade, cujo repertório vai incluir além de composições próprias, covers de John Lennon, David Bowie, Kurt Cobain e de bandas curitibanas que, segundo Yan, sempre lhe serviram de inspiração.

+++++ Serviço:
Show acústico Yan Lemos
Quarta, 01/07/09 às 22hs
Trip Bar
Mateus Leme, 754 - Centro - Curitiba - PR
Entrada: R$ 7,00

Conheça os "Yans" e suas facetas aqui:
www.cosmonave.com
www.joaopercival.blogspot.com
www.atodotempo.blogspot.com
www.ilusaodevodka.blogspot.com/

sábado, 27 de junho de 2009

Orquestra Filarmônica de Charlotte


Sábado o Bruno saiu com os rapazes do trabalho pra ir num restaurante chamado Bikinis, onde as garçonetes peitudas servem de biquini... bom, eu não falei nada né. Faz bem uns 8 anos que o Bruno não vê uma mulher saradinha de biquini, daí deixei. Não, na verdade eu só deixei porque não sabia desse detalhe da garçonete de bikini. Mas enfim... agora já foi!

Eu e mami também nos divertimos, aproveitamos para conferir o concerto musical da Orquestra Filarmônica de Charlotte, no Bailay Road Park. Não eram peitões, mas também foi uma beleza! O parque estava repleto de famílias, avós, pais, crianças, cachorros, todos com suas cadeirinhas, cangas, mesinhas de pick nick, aproveitando o final de tarde para uma audição da mais grandiosa música clássica, muito bem executada pela orquestra.

O maestro, antes de cada música, dava um show à parte, explicando a história da composição, do autor, contando curiosidades e dando todas as informações necessárias sobre a peça com a desenvoltura de um apresentador desses programas humorísticos! O veinho era porreta e tinha a maior cara de maluco! Cabelinho branco meio comprido, calças com suspensórios, meio corcundinha, mas quando pegava na batuta, ele rejuvenescia uns 30 anos, regia a orquestra com aquela empolgação de maestro da orquestra de Londres, hehehe...

Mami ficou boba com a desenvoltura das crianças, que ficavam dançando graciosamente em frente ao palco. Até as mais pequenininhas - tinha uma garotinha de uns dois anos, no máximo, que era uma belezinha! Me lembrou o poema de Cecília Meireles: essa menina, tão pequenina, quer ser bailarina... Após o concerto, teve um show pirotécnico de 30 minutos, parecia ano novo!

E nessas horas é inevitável não comparar: no Brasil, concerto gratuito no parque é pagode, em Curitiba ainda tem o música nos parques, mas os caras fazem licitação pra locação de som e sempre alugam o mais barato, com um operador que não tem a mínima noção do que está fazendo, e som fica uma m... e as crianças só dançariam depois que o DJ tocasse o "créu" ou "as cachorra" ou "ela está descontrolada"...

Depois todo mundo diz que o Brasil não vai pra frente e ninguém sabe por quê!

A verdade é que mesmo em crise isso aqui é uma beleza... a gente tem mesmo é que tirar o chapéu pro Tio Sam e copiá-los em outras coisas que não se limitem a fast food e programas televisivos e radiofônicos...

Não sei onde que eu li - ou ouvi - que agora na rádio rock tem um programa sobre os sucessos relâmpago - que toca aquelas músicas que foram o único hit de um artista que logo em seguida desapareceu da mídia. Então, é pura cópia de um programa antiquíssimo que passa aqui... depois ficam brabos quando a gente conta como tudo aqui é bom, bonito, e funciona. Não acreditam, acha que isso é contar vantagem... se bem que de certa forma é sim... hehehe, desculpem se pareço esnobe! Eu não sou assim sempre. Quem me conhece, sabe. E quem já veio pra cá, também entende.

Como diria o Rei, é preciso saber viver, e isso os americanos sabem muito bem.

West Side Story

Ontem fomos assistir a um dos musicais mais famosos da América, o West Side Story, baseado no livro de Arthur Laurents, com música de Leonard Bernstein, e letra de Stephen Sondheim. Tratava-se de uma produção local, no teatro da Universidade de uma cidadezinha aqui ao lado chamada Davidson.

Como sabíamos que não era uma produção nos padrões da Brodway, fomos lá sem maiores expectativas. Mas ficamos simplesmente de queixo caído com a qualidade do evento, desde a organização na entrada do teatro, até o talento do grupo que atuava, dançava e cantava perfeitamente, acompanhados de uma orquestra muito bem afiada.

Incrível como os artistas destes musicais têm que ser completos, além de atores, têm que ser ótimos cantores e dançarinos! O figurino, a iluminação, os módulos móveis de cenário que hora se transformavam nos suburbios novaiorquinos dos anos 50, hora numa lanchonete, hora no quarto de Mariaaaa, Mariaaaaa, a co-protagonista da história que aliás era uma jovem linda e talentosíssima!

A tragédia, baseada no plot shakesperiano de Romeu e Julieta ,realmente me arrancou lágrimas! É que estou naquela fase do mês em que as mulheres ficam sensíveis e choram por qualquer coisinha... assim, ao assistir uma história tão comovente, a qual confesso nunca ter lido nem conseguido assistir ao filme até o final, não aguentei e me derreti em lágrimas!

Valeu realmente a pena... ponto pra minha mãe, se não fosse ela ter lido a propaganda numa revista dessas que chega de graça, a gente jamais teria ficado sabendo desse programão!!!

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Dica Musical


Para quem está em Curitiba: enquanto O Sexto Dedo faz a trilha sonora de sua vida e você fica na dúvida se dá graças ou se lamenta a morte do Michael Jackson, que tal variar o cardápio musical dos seus dias neste show do meu very talented sobrinho Yan Lemos?

Blog dos Criaturas atualizado... dá uma conferida lá!

E agora, muito bem observado por Dondaliet no meu belíssimo calendário botânico de aniversários, parabéns para nossa querida tia Bernadete Zagonel! Muitos anos de vida e muitas felicidades!!! Muita paz, sorte, saúde e sucesso!

Cris, eu e a aniversariante do dia!

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Dias cheios!


Ontem deixei o Brunior no trabalho e fui com a mãe tomar café na casa nova da Paula, que se mudou de um apartamento para lá neste último final de semana. Após saborearmos deliciosas pancakes, fomos no Concord Mill, um outlet que fica no Condado de Cabarrus, não tão longe, nem tão perto. O shopping é enoooorme e para encontrar coisas realmente baratas o negócio é bater perna e ter muita paciência. Comprei uma calça jeans da Tommy Hilfiger por 13 doletas, uma pechincha! Mami comprou mais vinte quilos de presentes e to achando que ela vai pagar excesso de bagagem, viu? Ô como gosta de comprar um presentinho essa Dondaliet. Tati, não encontramos a numeração da sua 501. Mami vai tentar comprá-la em NY.


De tarde fomos no Wallmart comprar coisitas para a casa - arface, tumati, míííí, ervííí, essas groceries que temos que comprar enquanto a nossa horta ainda está crescendo... em breve vamos economizar um bom dindim com essas leguminosas que plantamos, porque aqui custa muito caro esses alimentos, principalmente se forem orgânicos.


De noite Bruno e mami jogaram golfe aqui no quintal. Olha, o Sávio que se cuide, pois o Bruno leva muito jeito! Desde à pose até o resultado da tacada, ninguém diria que ele é um iniciante. Mami também é danadinha, deu umas tacadas muito boas. Já eu, vixxx, não consegui acertar a bolinha uma vez sequer e fazer com que ela saísse do lugar por mais de 30 centímetros! Um desastre.


De janta fiz um macarone a lavosier com o molho de estrogonofe do dia anterior, gratinado com queijo, e preparei uma salada super produzida com brocolis, alface e tomate... pena que não tirei foto da salada, tava digna de restaurante chique!


São oito e meia da manhã, 20 graus em Charlotte. Em Curitiba, daqui a pouco, o Caetano tem uma entrevista na Educativa FM pra divulgar nosso disco! Chique né? Vamos "enfiar" O Sexto Dedo nas rádios com a ajuda de vocês, escrevam, mandem e-mail, liguem também para a Mundo Livre, Lumen e 91 Rock que todas têm nosso disco!

Mundo Livre FM 93.9 - Fone 3315-0093. Peçam CRIATURAS! E aproveitem para participar da promoção para ganhar um ingresso do show do Caetano Veloso no Teatro Positivo, dia 27/06. É só ligar ou se cadastrar pelo site. Os sorteios vão rolar durante a programação.

Fone da 91 Rock - Fone 3315-0091. E-mail: comercial@91rocknews.com.br (aliás que sitezinho lazarento, não tem nenhum lugar onde você encontre fale conosco, contato, etc...)

Educativa AM/FM -Fone 3331-7400.

Agora vou regar a horta antes que o sol esquente demás. Beijos!!!

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Segundo fim de semana de Dondaliet na América!



Café da manhã

O segundo fim de semana de mami em Charlotte foi repleto de novidades. No sábado, após acordarmos e tomarmos o costumeiro café na varanda - que está se tornando quase insuportável pelo calor cada vez mais forte que faz nessa cidade - lidamos com nossa bela horta e depois mami preparou um almoço delicioso, frango refogado com legumes, hmmm, foi o primeiro papá de Dondaliet aqui.

Nas ruas do Noda

À tarde fomos passear pelo NODA, um bairro artístico repleto de barzinhos, estúdios e galerias. Ao voltarmos para casa, recebemos a visita do Arthur e sua família - mulher, filha e enteada - e do Paul, o suíço e não sueco como eu erronaemente disse na última postagem. Jantamos um churrasco delicioso que o Bruno preparou e combinamos de ir ao Carowinds no domingo, que além de parque de diversões também tem parque aquático.

Na recepção do Hotel antes do café

Acordamos cedo, fomos no Hotel onde eles estão hospedados, tomamos café com eles e seguimos para o parque. Fomos em uma montanha russa chamada Cobra, depois ficamos nas piscinas, as "wave pools", que têm ondas artificiais. Fomos nos tobogans tubulares - nos quais você desce a uma velocidade estonteante num tubo escuro, uma experiência meio traumatizante, diga-se de passagem, porque é tanta água que espirra que você mal consegue respirar sem entrar água pelo nariz, pela boca, pela orelha, e aquela escuridão não permite que você descubra pra que lado você será jogado até parar lá embaixo com o maiô querendo sair pelo pescoço... uma vez e nunca mais!


Assim foi o primeiro dia de verão aqui em Charlotte - todo mundo ficou com o nariz vermelho do sol, apesar de termos usado fator de proteção solar 60! Imagina se não tivéssemos passado! Chegamos em casa e o Bruno fez uma janta a Lavosier com os restos do churrasco, assistimos a um DVD da Elis Regina e fomos dormir exaustos, afff, piscina dá uma leseira...


sexta-feira, 19 de junho de 2009

Sushi show, Summer Concert e a horta


Enquanto vocês aí no sul do Brasil passam frio, aqui no sul da Carolina do Norte a gente sua em bicas. Calor intenso, às vezes refrescado por chuvas torrenciais, daquelas que dá vontade de sair pra tomar banho!

Ontem fomos jantar num restaurante japonês muito chique, a mesa fica em volta de uma chapa onde o sushi man vem fazer um espetáculo culinário particular para aqueles que não são adeptos aos peixes crus. Falar da habilidade que o cara tem com aquelas facas é redundância, mas se eu disser que ele levantava os rabinhos recém cortados dos camarões com a pontinha da espátula e jogava no chapéu, tudo isso extremamente coordenado com os cortes em movimentos rápidos, lépidos e certeiros, aposto que vocês não vão acreditar. Pena que não levei a máquina, era digno de filminho. O show tinha também uma parte pirotécnica. O cara cortava a cebola, empilhava ela ao contrário em forma de vulcão, colocava um combustível na chapa e tacava fogo... a cebola sugava o combustível e de dentro dela jorrava um fogo alto, até sair só fumacinha e ele a empurrar com a espátula, fazendo um som de maria fumaça... a gente não sabia se comia as delícias recém preparadas ou se dava risada do show do sushi man chicano... Mereceu uma boa gorjeta.

Depois da janta fomos no University Place, um desses centros comerciais que aqui tem tantos, que como o nome já indica, fica perto da UNC. Assistimos ao show de uma banda também muito performática chamada Alabama Blues Brothers, muito boa por sinal. Nos divertimos bastante e voltamos para casa dormir.

Hoje fomos comprar mais terra para a horta e compramos salsinha, manjericão, hortelã e tomate para plantar. Chegamos em casa, plantamos as mudas, jogamos mais terra nas sementes plantadas na quarta-feira, molhamos bem e começamos a confeccionar as bandeirolas para espantar os pássaros. Finalmente nossa horta está quase pronta, só faltam as benditas alfacinhas, cujas mudas estão compriiiiidas e fininhas, estamos achando que elas não vão durar... veremos.

O Bruno foi jantar numa churrascaria com um sueco que está visitando a fábrica e eu to aqui em casa, faminta, com a mami! Dondaliet aliás, está muito chique. Dia primeiro ela embarca para New York passar uma semaninha lá com a Evi, antes delas embarcarem, no dia 7, para o Brasil. Quem diria, hein? Nem ela ia imaginar que um dia viria passear por essas bandas...

Meu processo de seleção para o mestrado está sendo analisado e devo receber a resposta dentro de duas semanas, no máximo. Agora só me resta esperar... Torçam por mim!

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Pintando o Sete e Plantando Rabanéte

Dondaliet virando a terra

Ai ai, meus leitores queridos! Ando tão relaxada com este blog, né? Mas é que com minha mãezinha por aqui dá uma preguiiiiça... temos trabalhado bastante na terra, e nossa horta ontem finalmente foi semeada, plantamos pepino, ervilha, beterraba, rabanete, espinafre e agora só falta transplantar as alfaces, o manjericão, a salsinha e o alecrim!

As sementeiras germinando

Também fizemos sabonetes artesanais muito cheirosinhos, para presentear algumas amigas queridas, para dar um cheirinho no lavabo e enfim para usar no banho, nada melhor do que um sabonete de argila para uma esfoleação semanal da pele... aproveitando o embalo artesanal, pintamos a casa dos passaritos e eu fiquei muito orgulhosa dos meus dotes artísticos como pintora! Vejam que primorosa primeira pintura em madeira eu fiz. Copiei o desenho da internet, mamis decalcou o desenho na madeira e eu pintei os passaritos e as florzinhas. Um mimo!

Os passarinhos se esbaldando na casinha reformada

Temos passeado bastante também, ontem fomos à biblioteca - o que aqui é uma verdadeira atração turística mesmo, dadas as belezas de um lugar tão movimentado e convidativo. As bibliotecas daqui são em rede, ou seja, você pode pegar livro lá na universidade e entregar em Huntersville, estando dentro do condado de Macklenburg, tá tudo em casa. Você pega quantos livros quiser e tem 3 semanas - ou seja, 21 dias - para entregar.

Se quiser pode renovar por números ilimitados de vezes e sem sair do conforto de sua casa, basta ter acesso à internet. Caso você não encontre um determinado título, pode solicitar que em 1 semana ele estará na Biblioteca mais perto de sua casa. Não me pergunte como, mas funciona. Aliás, o horário de funcionamento das Bibliotecas aqui é das sete da manhã às nove da noite. Ou seja: aqui só é burro e desocupado quem quer. Além de locação de livros, você pode ler revistas, jornais, acessar a internet, locar CD's, DVD's, tudo sem nenhum custo - a menos que você atrase a entrega que para CD's é de uma semana e DVDs o prazo é de 3 dias, para lançamentos 2 dias.

Você também pode comprar revistas por 10 centavos, livros infantis por 50 centavos, livros com capa dura por um dólar. Tem uma seção bem grande de espanhol, e outras menores de chinês, japonês, alemão e francês. Pasmem, de português não tem. Vou fazer umas doações, quem sabe outros brasileiros se empolguem! Mas tenho uma dó de me livrar dos meus livros... só vou doar os mais chatos - hehehehe.

Notícias criaturescas: de ontem pra hoje foram mais de 200 downloads do nosso disco! Tudo por causa da matéria na Gazeta. Viram só, minha gente? Se conhecerem algum jornalista da Folha de São Paulo ou do Globo no Rio de Janeiro, dêem um toque pra gente mandar um CDzinho... vamos meter O Sexto Dedo onde ele não foi chamado... hehehehe. E visitem nosso blog e nosso site, comentem, agitem por lá também. Lembrem-se de que um blog é um animal virtual que só se alimenta de seus comentários. Obrigada!

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Criaturas na Gazeta!


O jornalista Luiz Claudio, da coluna Acordes Locais - publicada todas às quartas-feiras na Gazeta do Povo - nos agraciou com uma matéria muito elogiosa sobre o nosso disco, que em suas palavras é um dos melhores do ano.

Um elogio desse, vindo do Luiz - um jornalista muito competente e de extremo bom gosto - certamente é uma honra para nós, e mais uma prova de que tanto trabalho realmente valeu a pena.

Fica aqui nosso muito obrigado ao Luiz Cláudio!!! Você é oátimo!!!

Para ler a matéria, basta clicar no título desta postagem. E se você ainda não baixou nosso CD, clique na imagem ao lado. Vale a pena!!!

domingo, 14 de junho de 2009

O primeiro fim de semana de Dondaliet na América


Queridos leitores, é Dondaliet. Ontem escrevi como foi o dia do meu niver mas parei pra jantar e qdo voltei tinha perdido tudo, então reportarei agora. No dia, logo de manhã, depois de receber um abraco gostoso da Xanda, fomos tomar nosso costumeiro breackfast no terraço, quando toca a campainha. Xanda atendeu e veio com um lindo arranjo de cravos brancos!!! Quase chorei, pois há muitos anos não recebia flores. Presente do Bruno, a Xanda me deu um chapéu. A tarde fizemos brigadeiro pois a Paula, amiga da Xanda se propôs a fazer um bolo de chocolate, já que receberíamos mais um casal de amigos pro jantar. Fizemos salada verde, farofa e maionese pra acompanhar as carnes saborosas que o Bruno com a desenvoltura de um chef assou pra gente. Foi muito agradável e divertida a reunião, os amigos brasileiros do Bruno e da Xanda são muito simpáticos.


Hoje, domingo, tomamos café e saimos rumo às montanhas de North Carolina. Gente, nunca vi tantos lugares bonitos, tanto verde, natureza intacta, rios de águas claras com o Catawba dos arredores de Charlote e do Linville River, rio de montanha, onde existe uma caverna cabulosa e quedas d'água lindissímas!!!


Quase morri de frio dentro da caverna que pingava água ao longo dela toda! Caminhamos por passagens estreitas, formações bizarras, sempre margeando um rio gelado e cristalino que deságua dentro de um lago profundo que inexplicavelmente nunca transborda! Mistérios da natureza, rsrs.


Maravilhoso nosso passeio, almoçamos num restaurante típico do oeste americano, um saloon de cowboys como nos filmes de bang-bang. Esse foi o meu primeiro fim de semana aqui em Charlote, nada mal heim, gente? Estou deslumbrada, rsrs... por cima da carne seca, rsrs.


Obrigada a todos pelas felicitacões e um beijo a todos!

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Pé na Senzala e As Jardineiras

Mami segurando um sapo regador.

Ontem foi impossível atualizar isso aqui... foi um dia cheio, que começou cedinho, com mami me acordando para tomar café. Depois do café começamos a limpar as janelas, mami os vidros e eu as persianas. Depois chegou a Paula e com ela saímos para passear um pouco, assim, não terminamos de limpar as janelas.

Fomos no Target, que é o meu supermercado predileto; lá tem de tudo, tudo lá é tão lindo! Quase que mami se deixou levar pelas delícias dolorosas do capitalismo novamente. Mas desta vez fomos mais incisivas nos conselhos e mami só comprou mesmo o que precisava e alguns mimos que estavam baratos para levar pro Brasil. E eu dei pra ela um lindo chapéu de palha - que por enquanto está sendo de grande valia para a jardinagem, mas que em breve será usado com muito glamour numa praia e no campo.

Depois almoçamos no Taco Bell umas tortilhas e uns burritos apimentaaaados e a Paula nos deixou na Praxair pra eu pegar o carro e a gente ir no Lowes Home and Goods pra comprar as coisas de jardim: sementes, sementeiras, enxada, pá, terra. Chegamos em casa e mami já começou a carpir. As janelas quem retomou fui eu. Mas só as do fundo, que a gente usa mais. Depois toca eu pra enxada e mami no rastelinho. E olha, que até o sol baixar a gente conseguiu capinar a volta praticamente inteira da casa e preparar bem o terreno onde será plantada a horta orgânica. Depois de muitas enxadadas e muitos tufos de mato arrancados e litros e mais litros de água pra matar a sede e lencinhos para enxugar o suor do rosto, chegamos à conclusão de que levamos muito jeito pra lidar com as ferramentas da terra. Deve ser porque temos um pezinho lá na senzala.

Para descansar, preparamos as sementeiras e esta foi a melhor parte do dia. É incrível! A gente compra uma bandeja com vários copinhos biodegradáveis, cada qual com uma pequena rolha - ou algo parecido - dentro. Você molha com água morna e as rolhas expandem, e na verdade as rolhas são de terra seca e comprimida, que com a água incha enchendo o copinho até a boca, como num passe de mágica. Pronto, agora era só colocar três sementinhas em cada um dos copinhos, cobrir com o plástico e esperar, que dentro de 10 dias - dependendo do tipo de semente - os brotinhos já vão despontar.

De noite fiz uma torta de legumes daquelas que a gente inventa na hora e faz a olho, que fora ter ficado salgada demais, ficou oátima. Mami visivelmente esgotada, recolheu-se aos seus aposentos logo após o jantar, não sem antes tomar cinco litros e meio de água para aliviar o sal da minha torta, e eu e o Bruno ficamos assistindo Crocodile Dundee, sim, o clássico dos anos 80 que vivia passando na sessão da tarde, mas que eu não me lembrava de como era tão engraçado! Depois fomos dormir e eu fiquei lendo "Os Soldados Brasileiros de Hitler" até cair no sono.

terça-feira, 9 de junho de 2009

O Sexto Dedo aponta para a Cosmonave

Vejam o vídeo elaborado por minha mana e também tia dos Cosmonave, Tati Lemos! São lindos demais esses meninos, ou serão meus olhos de tia coruja? Digam-me!

Pé na Porta e As Delícias do Capitalismo

Mami no Capitalismo Selvagem

Ontem, após um delicioso jantar de comemoração à vinda de mami e ao meu escore no TOEFL, chegamos em casa exaustos, com calor, sonolentos e com vontade de fazer xixi. Porém, descobrimos que trancamos a casa com a chave para dentro. Sim, aqui as fechaduras podem ser internamente ativadas sem a chave. Se você aciona este dispositivo na maçaneta, sai e fecha a porta sem estar com a chave, só lhe restam três opções: a primeira e mais cara, chamar um chaveiro. A segunda, verificar se acaso não esqueceu alguma janela aberta, ou a porta dos fundos. Se nenhuma dessas opções for possível, o arrombamento se faz necessário.

Bem, em tempos de crise e instabilidade financeira, a possibilidade de um serviço de chaveiro às onze horas da noite a cento e cinquenta dólares foi por nós logo descartada. Conferimos as janelas e a porta dos fundos, mas infelizmente estavam todas hermeticamente trancadas. Partimos para o arrombamento. Não antes sem tentarmos técnicas dignas do Mc'Gyver, nos utilizando de pequenos objetos pontudos, arames, ferramentas e outros objetos encontrados na nossa garagem, mas claro que todas as tentativas foram fracassadas, afinal de contas, não é só porque a gente mora nos States que a nossa vida sempre tem que ser como nos filmes. Bruno, já sem paciência, incorporou o Kung Fu Panda que existe dentro dele e chutou a porta sete vezes. E assim adentramos no conforto do lar. Chaveiro 24 horas: 125 dólares. Fechadura nova: 45 dólares. Um desafio para entrar em casa: não tem preço.

Definitivamente melhor não comprar um espelho...

Acordei para fazer o café do Bruno e somente mais tarde acordei Dondaliet para um delicioso breakfast na varanda. Recebemos a visita da Paula e com ela saímos bater pernas por aí e desfrutar das delícias do capitalismo primeiro no Walmart, depois na Marshalls. Almoçamos num japonero, né, e mami comeu sushi. Dondaliet achava tudo lindo e barato, e foi difícil convencê-la de que seria impossível comprar a América inteira. Porque sim, tudo aqui é muito barato, roupa, óculos, perfume, vaso, tapete, lençol, espelho, esculturas, mas o preço não inclui as taxas e nunca é aquele mostrado nas etiquetas. Além do mais, não estávamos assim precisadas de tanta roupa, óculos, perfume, vaso, tapete, lençol, espelho, esculturas. Mas ela não quis nem saber e pouco deu ouvido aos nossos conselhos e foi comprando e gastando, ah, compra isso pra você, olha que lindo, Xanda, leva, eu pago. Saiu caro mas acho que ela já aprendeu que não pode se empolgar. A gente só aprende assim nessa vida né. Depois que sente na pele essa emoção!

Fim de tarde na varanda e a farpa no dedão do Bruno.

Chegamos em casa e logo em seguida meu amor chegou, fizemos um cookout, eu fiz farofa e salada e Bruno grelhou um porquinho na nossa incrível churrasqueira a gás. Mami se esbaldou! Agora estamos descansado deste segundo dia de Talita na América. Amanhã o dia será de Maria, vamos lavar as janelas e começar a horta e o jardim, que será uma verdadeira reforma, dando à casa novos ares, como se fosse nova!

Hasta la vista, babies do Brasil... saudades imensas!

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Talita na América


Eu só acreditei quando a vi chegar. Até então ainda duvidava que minha mãezinha fosse mesmo chegar aqui! Não que eu duvidasse de suas capacidades linguísticas, tampouco senti medo de o avião cair, mas é que sabe quando algo é bom demais pra ser verdade? Então.

Enfim, sem atraso, e na mais perfeita calma de Talita, eis que encontro minha mãezinha no saguão do desembarque, pra variar carregando uma sacola. Eita, mas a ex-Maria Rodoviária agora tá Maria Aeroporto Internacional, muito chique por sinal, sacola completamente na moda ecológica dos retornáveis.

E eu sempre costumo dizer que as sacolas que a minha mãe carrega são como saco do Papai Noel. Porque sempre tem uns mimos, presentinhos, até castanha de caju e do Pará a danadinha nos trouxe. Além de glicerina para sabonetes, pedal de bateria, vestidinho... tão peculiares objetos em uma sacola de mão despertaram curiosidade nos agentes da alfândega. Mas mami soube responder todas as perguntas e descrever cada objeto: this is a base for soaps, handmade soaps. This is a pedal for drums, for my son-in-law, he is a very good drummer. Enfim, com seu carisma e inglês afiado deu tudo certo, tudo chegou aqui intacto e inteiro e agora ela está descansando da viagem em um quarto especialmente preparado para recebê-la. Mas hmmm... não fui colher as flores. Prefiro ir junto com ela!

Depois que eu encontrar o cabo da máquina eu juro que posto algumas fotos, para vcs verem com seus próprios olhos que sim! Mami chegou e está oááátima.


Uáaaaatima é apelido, hehe... Olá pessoal é Dondaliet teclando, rindo atoa neste lugar lindo, adorando cada canto dessa casa! O meu quarto então, uma cama super confortável, duas janelas dando vistas pra um lindo gramado cheio de arvores. Pra provar que não minto, deitei-me pra descansar a little, acabei dormindo, eu que nunca durmo de dia, nem qdo passo a noite no busão pra Curitiba!

Mami digita muito devagar, por isso volta a ser a Panda a escritora. Acabamos de voltar de um passeio pelas veredas do Daves Lake. Dondaliet foi saltitante, colhendo, observando e discorrendo sobre as várias espécimes da flora local, e achando incrível que pouca coisa muda daqui pra aí. Azaléias, árvores de cinamomo, camélias, magnólias, jasmins-estrela, e vejam vocês que aquelas margaridinhas que margeiam o lago nada mais são do que florzinhas de camomila. Mami sabe tudo sobre o mato.

Ao chegarmos em casa meu escore do TOEFL estava na caixa de correio. De 120 pontos possíveis, acertei 94 apresentando um ótimo escore muito acima do que eu esperava! Eu sou oátima! Agora vamos comemorar jantando trutas com crosta de amêndoas. Hmmm, delícia!

Daqui a pouco!

Está chegando a hora de eu ir buscar minha mami, a Dona Talita, ou simplesmente Don Daliet, no aeroporto. Acho que estou mais ansiosa do que ela! Fico aqui só imaginando como foi que ela se sentiu ao pousar pela primeira vez em terras estrangeiras. Deve ter sido o máximo! Será que ela conseguiu se comunicar na alfândega? E na imigração? Aguardem as cenas dos próximos capítulos... ai que o tempo agora demora a passar até dar a hora de sair buscá-la. Vou caminhar colher umas flores pelo caminho pra enfeitar o quarto dela. Até breve!

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Dentro da baleia a vida é tão mais fácil!



E viva Zé Rodrix... que subiu pro céu e hoje mora dentro da Baleia por vontade própria.

Vou aproveitar essa trilha sonora e divulgar alguns eventos que vão esquentar este frio fim de semana curitibano...

A começar hoje pelo show de lançamento do novo disco do Anacrônica, a ser realizado no Jokers, ao qual não deixarei de conferir virtuamente, pela transmissão ao vivo no portal do Mondo Bacana (link na minha lista de blogs legais).

SERVIÇO:
Data: 05/06 – Sexta-feira.
Hora: 22:00
Entrada: R$ 15,00 com Disco ou R$ 10,00 sem disco
Local: Jokers Pub Café – Rua São Francisco, 164
(41) 3324-2351 – www.jokerspubcafe.com.br

Sábado e domingo é a vez da banda dos sobrinhos da Panda. A Cosmonave vai comandar a trilha sonora da peça shakespeareana Romeu e Julieta, uma adaptação jovem e descontraída deste clássico da dramaturgia. Direção de Nena Inoue e Mauricio Vogue.

Local: Teatro Regina Vogue – Shopping Estação – Av. Sete de Setembro, 2775.
De 6 e 7 de junho, 19h.
Informações: (41) 3338 0450 (ACT)
Ingressos a R$ 20,00 e R$ 10,00

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Ópera de Carvão e Flor


Acabo de receber este e-mail divulgando o espetáculo Ópera de Carvão e Flor. Uma história de amizade entre Catulino, um menino carvoeiro e Ana, uma vendedora de flores. Com muita poesia e humor, a peça faz uma crítica ao trabalho infantil reafirmando o direito fundamental das crianças de brincar, sonhar e viver com dignidade. Para abordar o tema, o grupo optou por fazer um musical, com bonecos de diversas técnicas, máscaras e atores cantores. Este é um projeto da Cia Filhos da Lua - Teatro de Bonecos e da Fundação Cultural de Curitiba. Se eu tivesse aí levaria meus sobrinhos!

Parque São Lourenço, Teatro Cleon Jacques
Aos Domingos 07, 14 e 21 de junho- 16h
R$ 5,00 (individual), R$ 8,00 (para duas pessoas) e R$ 12,00 (para três ou quatro pessoas)



quarta-feira, 3 de junho de 2009

Metapostagem


É incrível como existem assuntos para serem abordados nas postagens. Mas às vezes dá receio de escrever tudo, sabe. De escancarar assim os sentimentos, expor as opiniões. E tenho notado que não sou a mesma pessoa quando falo e quando escrevo. Não que eu tenha personalidade dupla, ou que eu seja do tipo duas caras. Quero dizer, não tenho apenas duas caras, tenho mais, tenho muitas, tenho várias, dependendo da hora e do agrado. E nem venha se admirar que todo mundo é assim. Ninguém é estático. E se você for, fique bem longe de mim. Não gosto de pessoas que nunca mudam.

Na descrição do meu perfil no Orkut a primeira pergunta eu respondo assim: quem sou eu: depende de quem é você. É verdade. Se você for o Bruno, vou ser carinhosa, manhosa, fingir de nenê, falar que nem uma idiota e sairá coraçõeszinhos apaixonados dos meus olhos toda vez que me fizer cafuné. Isso se estiver tudo bem. Se não vou ser ranzinza e sarcástica e desagradável e descontar alguma frustração em você sem motivo aparente, como uma esposa chata, porque afinal de contas, ninguém é perfeito. Então a resposta está incompleta. Não depende só de quem é você, mas de quem é você e de quando eu sou eu.

Papo maluco. Vamos mudar de assunto. Estava dizendo que são infinitos os temas que eu poderia abordar neste meu diário, para que ele deixe de ser apenas um mero, um reles, um ridiculozinho diário como é a maioria dos diários. Escrever sobre fatos políticos, sobre aberrações da natureza como polidactilia aproveitando a deixa do Sexto Dedo. Escrever sobre desastres aéreos, sobre jogos de azar, sobre a inconsistência da sorte, sobre a teimosia da grama que cresce nas areias quentes do deserto e do capim que agoniza mas sobrevive às geleiras congelantes dos pólos. Escrever sobre a vontade de ser e de deixar de ser cantora, escritora, jornalista, detetive, astronauta, serial killer, sobre o quanto uma banda ou música ou sonoridade te agrada ou te irrita, escrever sobre a inconstância dos humores e da necessidade de todos nós de sempre estarmos nos auto-rotulando e auto-medicando. Escrever sobre os esquilos, como para nós eles são fofinhos e para os americanos eles não passam de larápias pragas como os ratos, as baratas e os pombos.

Escrever sobre os livros que leio, filmes que assisto, histórias que ouço, como aquela horrível do necrófilo com quem a filha da irmã de uma amiga da minha irmã ficou numa boate em São Paulo, ui, que horror, quase que ela era a próxima vítima do doente que fazia medicina e mantinha em casa relações sexuais com cadáveres e os fungos que deterioram a carne dos cadáveres estavam all over the body dessa pobre guria filha da irmã da amiga da minha irmã. Infeliz e sortuda, claro, fora o trauma e alguns fungos de cadáver na pele ela saiu ilesa e o cara foi preso, morava em Jardins e o Bruno disse que rico é que é louco, pobre não tem tempo de enlouquecer. Não, pobre já nasce meio doido, mas não passa de uma loucura breve, tem que se focar na sobrevivência. Rico não tem muito o que pensar daí já viu, cabeça vazia oficina do Diabo, minha vó ia dizer se ouvisse o Bruno dizendo aquilo.

Escrever sobre o ato de escrever. Qualquer coisa se pode dizer. Mas sempre heverá aqueles que vão te ler e te julgar. On the other hand, sempre haverá os que te lêem por te adorar e acham tudo o que você escreve lindo. E a grande maioria, a imensidão esmagadora nunca vai te ler, porque afinal de contas, o que você escreve, whatever darling, they don't give a shit e eu também não tô nem ligando - ou sei fingir bem, ou nem isso.

Ah... e de pensar que mesmo assim tem tanta gente que se apropria do meu discurso e eu aqui dizendo tanta abobrinha! Melhor mesmo ficar calada.

Ps: me li como alguém de fora e me julguei 1) prepotente 2)maluca 3)original 4)potencialmente psicopata

terça-feira, 2 de junho de 2009

Orquestra à Base de Sopro e Arrigo Barnabé no Guairão

Se eu fosse vocês, certamente iria, se estivesse em Curitiba.


Nesta quinta 04/06/2009 às 21hs gravação do DVD ao vivo!

Ingressos: R$ 20 e R$ 10

Informações: (41) 3304-7982


***Inspirada em Minúsculos assassinatos e alguns copos de leite***

De Fal Azevedo, uma escritora que me foi apresentada pela Pilar


E-mail para o Guga Azevedo:


Por aqui um calor dos infernos e índices de raios UV muito aquém do que se pode suportar... muitas composições novas em inglês e um estúdio em processo de montagem na nossa casa. Blogueio diariamente no meu Diário de Bordo e esporadicamente no meu blog do Mondo Bacana... estou compondo também algumas versões em inglês de músicas brasileiras famosas... hahahaha... its raining outside and in here.... qual é a música???? no mais com muitas saudades já do meu Brasilzão e da minha fria Curitiba porque puta que pariu esse calor tá matando. E o ar condicionado fodeu meus pulmões - junto com os cigarros, claro. Tipo a história da empada e da azeitona, saca? estou aguardando a resposta para receber uma bolsa do setor de Estudos Latino Americanos na UNC (universidade da carolina do norte) e se tudo der certo em setembro começo a estudar a produção musical brasileira durante as eras Vargas e Lula e a dar 2 aulas semanais de português para estrangeiros na Universidade. Falta somente o resultado de 1 prova pra eu obter a resposta. Vamos ver se vai rolar!!!! Espero que sim.

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Chegueeeei!!!!


Meus adoráveis leitores! Cheguei em Charlotte no sábado dentro da hora prevista e nem o resfriado chato que peguei por causa do ar condicionado do avião me fez esmorecer ante aos braços aconchegantes do meu amor. Aahhhh! Matamos as saudades! No quarto, no escritório, na cozinha, na escada, hehehe... o nosso amor é lindo! Tão lindo! Nada pode ser mais lindo do que o nosso amor...

Em Charlotte a temperatura está variando de 18º (manhã e noite) a 36º (tarde), ou seja, um calor ainda suportável mas que só tende a esquentar... quero só ver isso aqui em julho! Verãozão nervoso mesmo. Dona Talita vai adorar, ela que curte um calor. Eu e o Bruno vamos ficar com saudades do frio. Ainda bem que dentro de casa tem a temperatura que a gente quer, na hora que a gente quer, uma beleza.

Entonces é isso, meus caros. Eu sei que mal vim embora e já deixei saudades por aí... sogrão viu o alvo no quintal e pensou: cadê a Xandinha? Calma sogrão, já dizia Mário Quintana:

"Da Realidade

O sumo bem só no ideal perdura...
Ah! Quantas vezes a vida nos revela
Que "a saudade da amada criatura"
É bem melhor do que a presença dela..."

Hehehe... só uma brincadeirinha. Porque (ainda bem) no nosso caso a vida nos revelou que bem melhor é a presença do que a saudade daqueles que amamos, mas isso porque nós somos oátimos.

Vou fechar esta postagem com mais uma quadrinha do Quintana, dado pois os devidos créditos à nossa leitora Pilar, pois este livro que estou lendo foi presente dela!

"Da Condição Humana

Se variam na casca, idêntico é o miolo
Julguem-se embora de diversa trama:
Ninguém mais se parece a um verdadeiro tolo
Que o mais sutil dos sábios quando ama."

E assim me despeço, tola, boba, apaixonada, nada sutil, mas sábia, sempre. E humilde também, claro. Hehehe...