domingo, 27 de dezembro de 2015

O Primeiro Mês do Nosso Bebê


Anthony já sem a cânula no colo da sua amiga/irmã/prima de coração
A comemoração do primeiro mês de vida do Antony foi muito especial! Primeiro porque caiu no dia de Natal e depois porque o vovô Ivo e tio Caetano chegaram para alegrar ainda mais a nossa festa! As vovós prepararam uma ceia deliciosa, afinal tínhamos muito o que celebrar neste Natal!

E este foi praticamente um Natal tropical, com chuvas torrenciais e muito calor. Estamos de shorts e camiseta em pleno dezembro americano. Até que veio a calhar, pois minha mãe não suporta frio. E por ser tão pequenininho, e ter passado os primeiros dias na UTI, e ter vindo pra casa conectado às máquinas, o Anthony não pôde aproveitar o restinho de outono fora de casa. Então nesses últimos dias em que ele está "wireless" e a chuva deu uma trégua saímos passear! E hoje ele até pegou uns rainhos de sol! Vitamina D sempre muito bem vinda.

Falando em raios de sol, ouça só essa música que o Lydio Roberto fez pro Anthony e pra Alice! Que presentão nosso pequeno ganhou deste titio talentoso e inspirado!


O primeiro mês do nosso bebê passou voando! E embora atribulado, foi cheio de coisas boas! Aqui estão os highlights dos primeiros 30 dias...

  • Anthony veio pra casa conectado a máquinas e monitores, sob a supervisão periódica de uma enfermeira que nos visitava em casa 3 vezes por semana. Foi assim que nós conhecemos a Omo Lola, uma enfermeira nigeriana muito querida que cuidou muito bem dele e até nos ensinou uma canção de ninar em Yoruba.
  • Na terceira semana de vida ele fez circuncisão e já está praticamente 100% recuperado. Acho que nós sofremos bem mais do que ele, eu até fiquei doente, chorei um dia antes, no dia D, e nos dois dias seguintes, toda vez que tinha que trocar a fralda e fazer o curativo... e o danadinho só chorou durante o procedimento e na primeira troca de fraldas. 
  • Falando em chorar... Anthony não era assim muito amigo do banho. Ele se esguelava toda vez que sentia a água bater na bunda. A gente então fez uma terapia progressiva. Primeiro dava banho só a cada três dias, depois dois dias, depois dia sim, dia não, até que completou 1 mês e quase não chorou no banho. Ontem não chorou nem um pouquinho! E hoje até curtiu a água...
  • A terapia progressiva funcionou também com o oxigênio. No hospital o volume era de 5 litros. Antes de vir pra casa, cortaram para 2,5 litros. E depois para 1. Chegando em casa, a gente abaixou para 0,75. Na próxima semana para 0,5. Depois para 0,25 e na semana da circuncisão ele passou o primeiro dia sem a cânula e segurou muito bem a saturação de oxigênio em 99 e 100%. Agora só usamos o medidor de oxigênio e de batimento cardíaco durante noite pra monitorá-lo enquanto estamos dormindo.
  • Anthony é um comilão, mama no peito e na mamadeira! Na mamada da meia-noite, geralmente o papai dá uma mamadeira com fórmula e leite do peito. A fórmula é mais pesada e demora mais pra ser digerida -- assim ele pode dormir por mais tempo sem ficar com fome... o que provavelmente colabora para que o nosso bebê seja um...
  • Dorminhoco! Ele dorme que é uma beleza e não acorda toda hora de noite para mamar. Aliás, quem o acorda pra mamar de noite sou eu. Ele mama e dorme, e eu troco a fralda, coloco-o no bercinho e ele continua dormindo! Um santo.
  • É óbvio que de vez em quando ele chora. Ou porque está com a fralda suja, ou porque está com fome. Ou quando tem cólica. As cólicas começam geralmente de tardinha. Essa é a única hora em que ele chora e nada o consola... então damos um remedinho, fazemos massagem, botamos de bruço, ele se retorce, faz careta, e chuta e soca a gente... e passa de colo em colo até se acalmar nos braços de uma das vós. Aliás colo de vó tem alguma coisa de muito especial, porque a cólica sempre termina no colo de uma delas! 
  • Ele só faz cocô em fralda limpa. Incrível. É trocar a fralda com xixi e não dá cinco minutos, o cocô vem. Aí a gente espera um pouquinho pra ver se continua e nada... Só depois quando terminamos a nova troca é que ele termina o serviço, na fralda recém-trocada. O guri também adora fazer xixi enquanto estamos o trocando. E o alcance da parábola do xixi dele é supreendente. 
  • Anthony é um bebê muito forte, sorridente e esperto. Ele sustenta e controla bem o pescocinho, olha pra todos os lados, responde a estímulos sonoros e visuais, e até "conversa"com a gente, balbuciando sons enquanto estamos falando com ele. Ele presta atenção nas historinhas que lemos e contamos para ele. Ele gosta de ouvir música. Ele não se assusta com barulhos altos. Pode falar, cantar, ligar processador, aspirador, liquidificador, pode passar o trem, tocar alarme e o telefone. Ele não se incomoda... 
Menino de ouro! Foram tantas emoções! Como pode caber tanto amor, tanto medo, tantas alegrias e tantas dúvidas e certezas em apenas 4 semanas? E que outras emoções nos esperam? Em breve saberemos...

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

É o Tony na Área!


Chegou nosso pequenino! Após uma gravidez de 41 semanas e 1 dia, e um parto de 52 horas, nosso Anthony veio ao mundo com a ajudinha de Dr. Bootstaylor e um fórceps. Papai que puxou ele pra fora junto com o médico, e ele também cortou o cordão umbilical. 

Anthony Lemos Zagonel nasceu com 50cm e 3.5kg no dia 25 de novembro de 2015, em Atlanta no estado da Georgia, Estados Unidos. Nosso gringuinho guerreiro! Nasceu grandão e forte pronto pra enfrentar uma semana de UTI. 


Já os primeiros exames mostraram baixa saturação de oxigênio -- e a pediatra do hospital recomendou fazer uma eco do coração e do pulmão. Os pulmões estavam normais. Mas encontraram uma anomalia no coraçãozinho dele, chamada hipertrofia do ventrículo direito. 


Ficamos arrasados. Vê-lo todo entubadinho, com as coxas e os calcanhares picados de agulha, as enfermeiras drenando e drenando sangue para exames diários era de cortar o coração. Eu só chorava. Nas palavras do Bruno, eu tinha ido embora.

É realmente uma ausência que eu sentia. O útero vazio, e o quarto também vazio. Na UTI a gente podia vê-lo sem restrições. Era um ir e vir incessante. Meu colostro custava pra sair. Bruno ia com duas gotas numa colher e passava as gotinhas na gengivinha dele. 


Com a ajuda de profissionais lactantes, aprendi técnicas para extrair e estimular mais colostro. Aos poucos já ia levando mais e mais gostosura pro meu bebê. No terceiro dia também já estava mais confiante. E talvez acostumada com o ambiente do hospital. Mas voltar pra casa sem ele foi de partir o coração. Chorei muito mais. Mas felizmente, nem as lágrimas e nem o leite secaram.


Meu amor me apoiou em cada momento. E quando às vezes ele esmorecia, eu o incentivava. Juntos, e com o amor e a ajuda das vovós e do vovô, e o carinho e a torcida dos familiares e amigos, a gente enfrentou essa barra. 

Na quarta-feira em que nosso amor maior nasceu, tios Caetano e Zé Ivan compuseram essa música que diz: fique de boa, é o Tony na área! A carinha do Anthony também parecia nos estar dizendo isso. Fiquem de boa... Tudo vai dar certo, logo eu vou pra casa e em breve vou estar pronto para muitas aventuras!