quarta-feira, 31 de março de 2010

La Real Academia del Idioma Español nos informa*




PARA QUE APRENDAMOS UN POQUITO MAS...


Un puntito de educación en el amplísimo campo de la rica gramática dela lengua española.

El sufijo EZ al final de los apellidos hispanos proviene de una raiz hebrea sefardí y tiene la connotación de hijo de.

Es así como apellidos considerados muy castizamente españoles como Alvarez, significa hijo de Alvaro; Rodriguez, hijo de Rodrigo; González, hijo de Gonzalo; Martínez, hijo de Martín; Hernandez, hijo de Hernando.

Solo existe una excepción gramatical a esta regla y es Chávez, hijo de P*t@, ya que no podía ser hijo del chavo**.


* Contribuición de William Bastidas, via gmail.

** Procurando la significación del vocábulo "chavo" encontré la expresión "no tener un chavo", que na lengua Portuguesa significaría "não ter um puto". Así siendo, en Portugués, para tal efecto de tradución, tambiém tiene sentido decirse que Chávez es hijo del chavo!!!

terça-feira, 30 de março de 2010

UNCC - International Women's Day



Xanda Lemos e a embaixatriz das Nações Unidas, Linda Tarr Whelan

Como alguns de vocês já sabem, quinta-feira passada (25 de março de 2010) foi o evento para homenagear todas mulheres do mundo. Em especial aquelas que fazem parte da comunidade universitária e encabeçam programas que diversificam e contribuem para a melhoria da vida social acadêmica.

Convidada de honra do evento, a embaixatriz das Nações Unidas durante a era Clinton, Linda Tarr Whelan, deu uma breve palestra sobre mulheres que lideram os mais diversificados movimentos all over the world, demonstrando que é possível grandes feitos partirem de uma só pessoa, e mais ainda, provando que as mulheres, removendo uma pedra de cada vez, podem mover muito mais montanhas do que Maomé sozinho. Óbvio que ela não disse isso nessas palavras, que aliás, nem se comparam... foi um discurso tão lindo que merecia ter sido gravado.

Passando longe de um discurso feminista, a embaixatriz defendeu a união de homens e mulheres para facilitar o alcance de quaisquer que sejam os objetivos. Mulheres podem até ser seres complicados, mas em questões práticas de liderança, são facilitadoras e muito mais eficientes, porque mais sensíveis, mais jeitosas no trato.

Eu indo receber meu certificado de reconhecimento!

Como diria o Zé Ivan: a Xanda chegou chegando!

Olha a Xanda, chegou em casa se achando com sua special recognition... tá, mas vocês devem estar pensando, o que ela fez pra merecer tal homenagem? Confesso que também me fiz essa pergunta... e que, sem falsa modéstia, não me acho merecedora do agrado. Racionalmente explicando, fui indicada por Martha Miller, por encabeçar o Brazilian Cineclub, e também o grupo de conversação em Português, ajudando aqueles que estudam ou aqueles que aprenderam a língua já há algum tempo, a praticar o idioma num "outside class environment". Além disso, tem a alegação de meu comprometimento com o curso de Português na Universidade, que foi revitalizado após minha entrada como Professora... o que inclusive fez a Universidade reconsiderar o investimento na área, pois agora outra professora será contratada para ensinar o Intermediário e o Avançado. Eu vou continuar com o nível Básico.

Enfim. Nada demais... mas mesmo assim emocionante!

segunda-feira, 29 de março de 2010

MAIS VERSINHOS AOS VINTE E NOVE DE MARÇO

Autoria de Ivan Justen


Curitímida Curitilônia,
Culturistúbula Romiritiba,
Pinheiralma Ipecedônia:

A tua alma maldita de Medeia
Ainda guarda algo de Palas Ateneia

E ainda se escuta aqui – penal, vina, leite quente –
Nesta urbe experimental que tem um cu na frente.

Curitímida Curitilônia,
Culturistúbula Romiritiba,
Pinheiralma Ipecedônia:

Entre uma Pindamonhangaba e uma Paris,
Tu continuas Curitiba por um triz –

E este piá, que já te viu branca de neve,
Hoje é mais um poeta que te escreve –

Feliz aniversário.

Parabéns, Curitiba!

317 aninhos!


Para homenagear o aniversário desta cidade controversa, faço uma oração.
Bem cantou um sabiá de nossa terra, Lydio Roberto:

Nossa Senhora da Luz dos Pinhais

(Lydio Roberto / Cristina Saraiva)

Nossa Senhora da Luz dos Pinhais olhai por nós
Por esta terra profana que já se esqueceu de vós
Iluminai este chão, serenai nosso coração
Nossa Senhora da Luz perdoai quem não tem perdão

Filha da trilha do ouro, nasceu
Índia, tropeira, irreal
Sangue estrangeiro e peão
Filha de tanta ilusão

Já vai longe
Onde está a fé ?
Santa padroeira
Onde estais ? Perdoai ...

Nossa Senhora da Luz dos Pinhais, erguei a voz
Não permitais que a esperança por fim, se apague em nós
Iluminai este chão, afastai a desolação
Nossa Senhora da Luz, apontai-nos a direção

Vila primeira, primeira canção
Santa, formosa, imortal
Vila da Luz, devoção
Pousai a mão sobre nós

Nossa Senhora da Luz dos Pinhais olhai por nós
Iluminai este chão, serenai nosso coração
Nossa Senhora da Luz dos Pinhais erguei a voz
Iluminai este chão, apontai-nos a direção

domingo, 28 de março de 2010

Moody Blues em Charlotte


Segunda-feira (22 de março) fomos num show do Moody Blues que seria supostamente aberto pelo Joe Cocker, num lugar que supostamente era para ser o melhor teatro de Charlotte. Eu nunca ouvi falar de Moody Blues, mas Joe Cocker é com certeza um dos meus ídolos musicais, portanto, nem cogitei um não como resposta para o convite de meu amado marido, mesmo sabendo que agora é tempo de economizar.

Como bons brasileiros, chegamos no Belk Theatre em cima da hora, e por sorte conseguimos três ingressos - o Arthur também foi - na última fileira, lá nas alturas do teatro. Com desconto porque eu tinha carterinha da UNC. Depois de subirmos alguns lances de escada, adentramos na escuridão do autitório quando o show - que não era do Joe Cocker - já havia começado. Era o Moody Blues, numa formação maluca de dois bateristas, o baixista, o guitarrista, duas garotas que cantavam, tocavam violão, flauta transversa, meia lua e teclado, além de um outro tecladista.

O Bruno falou que o Moody Blues é uma das bandas prediletas da Raquel e do Alexandre, casal figurassa que curte bons sons, inclusive a música que tocou no casamento deles lá pro fim da década de 70, era da banda. Então, apesar da decepção do Joe Cocker ter sido apenas um boato - ou melhor, um mal entendido - achei que o show valeu a pena mesmo assim. Na pior das hipóteses só fazer uma homenagem pro querido casal, já tá valendo... Uma homenagem ou uma invejinha? Enfim. Prefiro homenagem, a lembrança, afinal de contas ficamos pensando que se os dois estivessem lá o show teria sido bem mais legal!

A banda mandou muito bem, músicos de talento, muita qualidade, mas as músicas em si, se bem que algumas só, não foram do meu gosto. Achei interessante a relação que fiz, logo no começo do show, entre baixista John Lodge (posudo bragarai) e o Gabba, baixista (posudo bragarai) da minha primeira banda lá nos idos dos 90. Pra mim, lembrar do Gabba, que hoje vive nas Zoropa, é lembrar daquela frase que ele sempre dizia: "mantenha a fé". E adivinhem com que frase o baixista londrino do Moody Blues se despediu no show? Keep the faith! Muita coisa fez sentido.




O mais legal de tudo foi ver os velhinhos, não só os "coroa", mas velhinhos mesmo, com os filhos, com os netos, curtindo um rockão meio hard-progressivo. Sentados, né, afinal estávamos num teatro. O público muito diversificado, bem educado, afinadinho cantando junto, foi muito legal de ver! E por falar em velhinhos, aqui eles trabalham recebendo as pessoas no teatro. As senhorinhas todas uniformizadas, dando informações, recebendo os tickets, guiando a galera pras portas corretas. Aqui os velhinhos têm não somente vida social, como também vasta oferta de emprego. Isso é muito legal!

E foi isso. A frustração do Joe Cocker foi no fim um mal entendido entre o Bruno e um funcionário da empresa, que depois esclareceu: ele vem em maio, dia 7, pra abrir o show do Tom Petty!!! Será que a gente vai? Acho que sim!

quarta-feira, 24 de março de 2010

Una Nueva Banda Latrino* Americana!

Se dice en Brasil que es mejor una bunda que una banda. Por supesto que si, una bunda tiene dos bandas y también uno culo en lo medio, que en Brasil, se dice "cu-juntinho". Ahora generalmente hablando, muchas bandas son mejores que muchos culos juntos. Pero ciertamente no és el caso de estos abajo...

De la izquierda a la derecha: Lulalá, backing vocal; Fidelito, bateria; al medio el lider del grupo, Hugo Chavez, voz; despues, Evo Imoralez, bajo; y direto de Ecuador, Rafael Correa, el guitarrista**!


Entre ellos y los culos no hay diferencia alguna. Tanto que el nombre del conjunto es LOS MIERDAS. Aún que muchos possan considerarlos "solamente más una banda de mierda", es necessario que alguien diga las berdads que necessitan ser ditas.

Los integrantes no tienen la aptitud deseada para la harmonía de una musica audible, no obstante ellos ya son muy populares por toda la America y mismo en el mundo. Seguramente Los Mierdas son un fenómeno, pero de nigún modo podrán venir a ser un fenómeno positivo.

Estan todos los dias en los periodicos y en la televisión, y las radios ya los tocan diariamente. La multitud, ignorante de si misma, porque sorda, los escuchan sin quejarse. Es un quadro inmejorable. Y así, Los Mierdas triúnfan.***

*Colaboración internacional de Ivan Justen
** Colaboración internacional del sogrón
*** Foto que me fué enviada por mi prima Fernanda Lemos Moulin. Texto propositalmente redijido en Portuñol por niguna razón en especial.

domingo, 21 de março de 2010

House Hunters - Parte III


Então! O próximo vídeo é de uma casa aqui no Davis Lake, condomínio onde moramos e onde gostaríamos de ficar, porque é bem valorizado, seguro, fica perto tanto do trabalho do Bruno quanto do meu. O problema é que por ser um lugar assim tão batuta, todas as casas têm um preço filho da... mãe... além do que são casas grandes, todas de dois andares. Mãããs, conseguimos achar um sobradim menor e mais baratim, que assim que entrou na lista da nossa imobiliária fomos conferir. Nesta ocasião, filmei a propriedade, pensando em dividir com vocês esta emoção.


video


O lénci é que enquanto estávamos lá, e isso infelizmente não foi registrado pois ocorreu depois de eu ter feito a cobertura completa de todos os cômodos - tocou a campaínha. Judy, nossa agente imobiliária que vocês já conhecem, foi atender e era outro agente, de outra imobiliária, dizendo que eles tinham um horário marcado pra ver a casa. Ela delicadamente lhe pediu mais 5 minutinhos, dos quais só precisamos de 3 para chegarmos num consenso: colocar uma oferta na casa. É que depois da última experiência em que esperamos um dia pra fazer uma proposta, perdemos o bonde e ficamos traumatizados. Bom, pelo menos a gente já conhece a comunidade e já sabe que morar aqui não somente é viável, como também é muito chique.

Saímos da casa e no caminho pra imobiliária a Judy já ligou para a agente responsável pelo imóvel, dizendo que ela colocaria a melhor oferta possível e que era para ela não aceitar nenhuma outra oferta que não fosse a nossa. Dito e feito! Deixamos um chequezinho pra segurar o contrato, assinamos a papelada e agora é só esperar as vistorias, e claro, o din dim do Banco da América... porém contudo todavia no entanto lá lá lá... não quero acreditar que essa casa já é nossa. Por enquanto tudo deu certo, mas ainda temos que esperar os resultados da vistoria, que podem invalidar o contrato.

Além disso tem o contrato com o banco. Em tempos de crise, nunca se sabe. Uma hora eles te aceitam, noutra te descartam. Enfim... só vou acreditar quando estiver morando lá! E mesmo assim, vai ser difícil não achar que é sonho... porque é sim... mais um sonho... prestes a ser realizado!!!

sexta-feira, 19 de março de 2010

House Hunters - Parte II

Aqui está um filminho da casa referida na postagem anterior. A casa que quase foi nossa... mas que não foi. Infelizmente? Não... casas melhores viriam após essa. Mas vamos começar pelo começo. Logo, logo, coloco mais videozinhos de outras casas e, se tudo der certo, da nossa futura casa!!!


video

domingo, 14 de março de 2010

House Hunters!


Em meio a toda loucura do semestre, e com o vencimento do contrato de um ano de aluguel nesta pequena mansão na qual moramos, tomamos uma sábia e emocionante decisão de comprarmos um lar, para completar nosso Sonho Americano.


Na atual conjuntura econômica, em que o setor habitacional estadounidense se decompõe, é fácil achar uma casa boa, bonita e barata. Economicamente falando, a hora de comprar é agora, em que estamos provavelmente no auge da depressão -- a não ser que o Obama consiga afundar ainda mais este barco já a pique, o que não é de todo impossível. Enfim, sabemos ser uma casa um investimento importante, mas de fato o valor que pagamos neste aluguel pode muito bem cobrir um "Mortgage" (horrenda palavra que reflete o seu sentido, "prestação") e ainda manter todas as despesas de uma casa que será nossa, num futuro distante, mas sempre vindouro.


Na "pió" das hipóteses, vendemos a casa pelo preço que já pagamos, e saímos no zero a zero, com a vantagem de ter o dinheiro de volta e teoricamente, ter morado alguns anos "de graça". Uso as aspas porque sabemos bem, nada nessa vida é de graça. Anyway, obviamente, se continuarmos alugando, tal vantagem inexiste. Por tudo isso, começamos o nosso House Hunting em fevereiro.


Perdi a conta de quantas casas fomos ver. Até então nenhuma delas parecia agradar o nosso gosto. Queríamos uma casa de um andar só, primeiro porque a conta de gás no inverno quadruplica numa casa de dois andares. Segundo porque uma casa menor é sempre mais fácil de limpar. E finalmente porque quando as vós vierem nos visitar, não terão que se incomodar com o sobe e desce de escadarias.


Achar uma casa que seja a nossa cara e que caiba no nosso bolso não é tarefa fácil. Ainda mais pra nós, que somos meio excêntricos mesmo sem sermos milionários. Nossa casa tem que ter 4 quartos. Um quarto pra nós, um quarto de visitas, um quarto de estudos, ou escritório, e é claro, nosso quarto de música, que afinal de contas a gente já passou da idade de tocar na garagem. A garagem, por sua vez, deve ter espaço suficiente para comportar dois veículos e um tanque de lavar roupas, pois pasmem, aqui as lavanderias são especialmente planejadas para ter somente as máquinas de lavar e de secar. Tanque aqui nos States, que não seja de guerra, é coisa do passado. Mas "a gente mulheres do terceiro mundo" sente falta de um tanque que só! Pergunte pra minha mãe, pra Fátima e pra vó!


Outra coisa que adoraríamos ter na nossa casa ideal, é um quintal que não seja tão grande como este da casa que alugamos, mas que também não pequeno demais, dando espaço assim, para a possibilidade de se plantar uma horta e também de futuros pandas povoarem o backyard. Além disso, a casa deve ser bem localizada, entre a Universidade e o trabalho do Bruno, para não aumentarmos muito nossa conta de combustível, nem o tempo gasto entre casa e trabalho. Mais uma limitação de área seria a vizinhança. Tem risco de enchente? Qual é o índice de criminalidade do local? As escolas do distrito são boas? Tem centros comerciais por perto ou o lugar é totalmente isolado? Tudo isso pensando numa possível revenda do imóvel num futuro próximo, mas sempre vindouro.


Obviamente, a casa perfeita, incluindo as taxas de serviço e os impostos, deve caber no nosso budget, se possível diminuindo o montante que temos gasto neste primeiro ano com aluguel e contas de água, luz, telefone, gás... Como podem ver, levamos tudo isso em consideração e, com tantas exigências, foi difícil encontrar a casa que se adequasse a elas e que a ambos agradasse.


Ontem* saímos mais uma vez em busca da casa ideal com a nossa "realtor" Judy, agente imobiliária que já trabalhou com outros funcionários da empresa do Bruno e nos foi por eles indicada. Ontem, pela primeira vez, batemos o olho numa casa e de cara sentimos que aquela era a casa dos nossos sonhos! Além de conter todos os requesitos supracitados, ela tem muitas outras qualidades, como uma floresta e um riozinho que passa no fundo, banheiro com pias separadas, chuveiro separado da banheira, banheira com hidromassagem...


Voltamos pra casa felizes! Corações palpitantes! De noitinha fomos na casa de novo, e também hoje na hora do almoço, pra urubuservar a vizinhança -- aqui eles recomendam a gente fazer isso antes de dar uma oferta, assim a gente manja a movimentação do local e vê se é aquilo mesmo que queremos.


Então, hoje** fomos lá e descemos até o riacho, um riozinho que tava meio barrento devido à chuvarada do fim de semana. Bruno já imaginou a gente no verão, com os pés na água... eu tocando um violãozinho... a musquitaiada toda mutucando as canelas, e a gente feliz! De repente, quando saíamos do meio do mato, encontramos com outra "Realtor" e outra família... na hora eu gelei, e disse, Bruno, vamos já ligar pra Judy e botar uma oferta na casa. E assim fizemos.


Voltamos pra casa felizes! Corações palpitantes! Doce ilusão, que não durou sequer um dia... infelizmente antes de nós, outros interessados já fizeram uma proposta e os donos aceitaram. A nossa casa só será aquela se alguma coisa der errado no fechamento desse contrato. O que sinceramente estou torcendo para que ocorra, porque a casinha era muito batuta e seria mais ainda se fosse nossa! Mas... fazer o quê, né? Agora é procurar mais, pesquisar mais, bater mais perna... logo encontraremos nosso lar e manteremos vocês informados.


* Sábado, 13/03/2010 ** Domingo, 14/03/2010

quinta-feira, 11 de março de 2010

O Ano do Dia Internacional da Mulher

Recebendo placa de prata e flores, Diva -- a Mulher do Ano -- ao lado dos seus filhos e nora!

Pois vejam vocês que 2010 acabou de começar e já se revelou o ano do Dia Internacional da Mulher! Soa estranho? Explico. Duas mulheres desta família -- apesar de tooooodos estarmos carecas de saber que toooooodas as mulheres desta família merecem menção honrosa, pois tooooooodas são maravilhosas -- e como eu ia dizendo com muita afetação e bem mais que um quê de orgulho, duas mulheres desta família, este ano, foram especialmente homenageadas por ocasião da bela data, 8 de Março.

A primeira foi a Dona Diva Zagonel, homenageada na noite de ontem como "Mulher do Ano" pelo Rotary Club de Curitiba. "Ganhou aplausos, placa, flores e tudo mais que tem direito!", conta seu filho Ivo em entrevista ao Diário de Bordo. Veja algumas fotos aqui.

Lembro do dia em que a vó ligou aqui em casa -- às vezes ela nos brinda com esta agradável surpresa -- achando um verdadeiro absurdo a indicação: Onde já se viu, eu, mulher do ano! Eu nunca fiz nada! Ao que retruquei: Vó, a senhora acha que mais de 50 anos de Serviço Social costurando, fazendo colchas e casaquinhos de tricô pros pobres não é nada?

A vó sempre ajudou não só os pobres, mas a todos, e eu, claro, mesmo antes de entrar oficialmente para família, fui alvo de suas imensuráveis caridades! Lingerie uma mais bonita que a outra, blusas de tricô lindíssimas que ela fez especialmente para mim! E a vó quando vem pra Charlotte então, é uma caridade atrás da outra... eu acho que seu eu disser todos os motivos que eu tenho para eleger a vó como mulher do ano, não terminaria esta postagem tão cedo! Parabéns vó. Você merece sim!

Bem. E a segunda homenageada? Quem é? Acredite se quiser. É esta Panda que vos escreve! Ontem, quando a vó Diva recebia suas homenagens no Brasil, eu recebia este e-mail:

The International Women’s Day Committee is delighted to inform that you were nominated for special recognition at the International Women's Day Celebration!

UNC Charlotte’s International Women's Day Celebration will take place on Thursday, March 25th, from 3:30-5:00 pm in the Student Union, Room 340 G-I. Please come and join us for a reception, a ceremony recognizing the many accomplishments of all women in our campus community, and remarks from our guest speaker, Ambassador Linda Tarr-Whelan.

E já fica aqui o convite, quem quiser comparecer será mais do que bem vindo!

Um brinde a todas as mulheres da nossa família!

terça-feira, 2 de março de 2010

Relatório Imparcial

Então... hoje fui pra University mais cedo, pois tinha um appointment com aquele ProfFessor. O assunto que eu gostaria de discutir com ele vocês já sabem. Achei que o meu midterm exam tinha sido um fracasso total, mas até que não foi, tirei um B!!!!
B de Bom, B de Bah! Jura? B de Bravo! Bravissima! (Non c'è acento perché è in italiano!) Fui ao céu quando recebi a prova! Este professor tem sido muito kind comigo... considerou minha primeira questão e ainda me deu três pontos vírgula seis pelo comecinho daquela questão que não terminei... que felizmente, segundo ele, foi suficiente para perceber que eu estava no caminho certo, que enfim, eu consegui explicar a diferença entre teorias de poítica internacional e teorias de relações internacionais, deixando porém de dar alguns exemplos. Mas não é Bonito isso? Uh! Uh! Uh, que Beleza!
Agora antes que vocêm pensem que "a Xanda tá se achando", vou tomar um Banho de Banheira e dar uma atenção especial ao Bruno, que ele tamBém merece!
Beijos!
Bye!
Bah! Um B!!!!!!
Berveito!
Buona notte a tutti!