quarta-feira, 27 de maio de 2009

Tá chegando a hora!


Depois de muito matar a saudade do lado daqui e cultivar a saudade do lado de lá...

Depois de muita festa e folia nesse carnaval fora de época que foi minha estadia...

Depois de muito penar para tentar divulgar um disco independente junto aos quase inacessíveis meios de comunicação curitibanos...

Depois de um show de lançamento memorável na Fnac Curitiba...

[Ainda que tendo de me deparar com burocracias que para sempre farão do Brasil um paiszinho lazarento e difícil de entender...]

Depois de amargurar a saudade e de mais uma vez constatar que, apesar de tudo e de todos vocês que fizeram da minha temporada algo mais do que agradável - inesquecível - sem o Bruno eu não sou ninguém...


Eis que chega minha hora de partir!


Se é para o meu bem e do Brunão, diga ao povo que parto!


Quase um mês não durou nada.

Não fiz nem metade do que deveria ter feito.


Mas ah... mesmo assim valeu a pena!


Ativei o blog criaturesco novamente. Mas atualizar mesmo esses meus blogs temporariamente abandonados às traças cibernéticas virtuais, só depois de chegar em Charlotte... então coloco as fotos, filmes, tudo certim, tintim por tintim.


Mãe, você não faz idéia de como eu e o Bruno estamos felizes com sua iminente visita!!! Não esqueça de passar o número do vôo, data e hora de chegada pra eu te buscar no aeroporto. Boa viagem e boa sorte!


Evi e Ju, eu sei que furei com vocês mas me perdoem porque afinal de contas a gente é tudo hermana! Evi cuida bem da Dondaliet e boa viagem, beijos na sua mami.



Adri e Ivan, eu ainda quero ir aí nem que seja só pra deixar os discos.


Pilar, mãe da Pilar, Chico e Ana, adorei conhecer vocês!


Dudu, meu filho! Que bom que você existe! Companheirão mesmo... até pros compromissos mais chatos como idas ao banco. Vou sentir saudades de você e das suas frases bacanas como - que tarde agradável... de repente fui preso.


Ivo e Fátima, sem palavras para agradecer o que fizeram por mim! Um dia retribuo com um netinho de verdade, prometo.


Fãs que compraram CDs, obrigada pelo prestígio.

Fãs que não compraram CDs, não esperem muito pois as cópias estão se esgotando rapidamente.

Du Gomide e Fred Teixeira, vocês são oátimos!


Bom eu to com sono e com uma puta deprê porque no fim eu não sou famosa e não consegui ir no Jô.


Hehehe. Claro que isso é mentira.

Não o lance da deprê. Mas o motivo.

Ai o maldito motivo que na real, desconheço.


Mas ah.


Beijo beijo.

domingo, 17 de maio de 2009

Xanda na Chefatura

Quinta-feira dei um jeitinho de visitar os queridos amigos da Grande Garagem que Grava e a visita relâmpago ainda me rendeu uma honrosa participação no novo EP dos Marlenes!

Ferreira, Rodrigão, Renato e eu

Agora solenes.

E mais descontraídos.

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Ao Bruno com Saudades: De que vale o céu azul e o sol sempre a brilhar...

...se você não vem e eu estou a lhe esperar... só tenho você no meu pensamento e a sua ausência é todo o meu tormento...



Aãinhãin... Tá bom! Não vou reclamar porque só tenho mesmo é "di agradecê di eu tê um chinelim pa pô", i deu tê um amô pra mó di eu tê saudádi!



RETROSPECTIVA DOS PRIMEIROS 10 DIAS EM CURITIBA


Adivnha se eu não cheguei e já não recebi visitas dos meus sobrinhos-filhos. Claro que fomos direto pro Quartinho Records que, sem os equipamentos sonoros, fica vazio mas ainda melhor para degladiações pebolinísticas. Sogrão e Panda imbatíveis, como sempre.


Dudu, Bozo, Sogrão e eu (Foto do Luli)


Depois comemos pizza e chegaram Caetano e Eliza... fui dormir cansada e feliz da vida pelas visitas!


No dia seguinte foi a formatura. Eu estava tão feliz mas chorei feito uma condenada!


Iara, Cidinha, Cláudia e Pândala


Na quinta acordei meio de ressaca (mais da viagem e da formatura em si do que das cervejas que não foram lá muuuuitas) e fui de ônibus para o centro assinar meu diploma e entregar a beca. Incrível que como até uma viagem de Savóia a gente valoriza quando a realidade é o exílio. Da faculdade tomei o Tarumã e fui almoçar na Cris aquele papá delicioso da Linda. Depois do almoço eu e a Cris fomos visitar a Ari e conhecer sua casa nova.




Depois de conhecermos a casa da Ari fomos dar um oi na Gramofone e lá ficamos até o fim da tarde botando as fofocas em dia. O Alvaro mereceu um abraço especial por causa do disco do Criaturas!



Daí fomos pra casa do Gu e pra variar não tinha ninguém. Ligamos e eles já estavam chegando. Mas a gente tava com vontade de fazer xixi e então fomos no vizinho e aproveitamos para ouvir a Tarantella.



Chegando o povo fomos lá e aquela festa, sobrinhada bonita, crescida e o Gu 6 Kg mais magro e cada dia mais gato e grisalho.



Jantamos panquecas, mas o destaque mesmo foi para a saladinha com aquele molho especial da Dondaliet, que eu sei, Bruno, te dá água na boca, mas em breve teremos o prazer de saboreá-la todos os dias aí em Charlotte pelo menos por 2 meses!

Sexta não tenho fotos. Foi dia de torrar uma grana preta para a feijoada de sábado. Mas festa que é boa não tem preço! E foi uma delícia.



Vini assistindo a Tia Panda tocar, analisando bem e pensando que podia ter ensaiado mais pra ficar mais bonito.



Cicero sendo paparicado pela prima Luiza que está com quase um metro e meio de perna e cada dia mais linda.



E caiu a noite, a bebedeira continuou, a cerveja acabou, compramos mais, todo mundo cantou, tocou, dançou, balançou mas ninguém caiu. Fim de festa fomos pro Porão.



Daí tudo que eu narrar será redudância, amor. Você conhece minhas sapinhas e sabe que com elas a alegria é garantida. E a mesma galera de sempre. Agora até as mesmices curitibanas têm seu charme.






Domingo show do Oasis. Lotamos uma van e fomos eu, Yan, Lule, Eliza, Tanão, Crivano, Lu, Sirizim, Ari, Analibis, Katia, Elôca e amiga.




O show foi um TESÃO. Pirei, fiquei feliz, depois triste, a mesma água - chora de saudades e de felicidade - ô indecisão!


Dormi na Cris e estreiei a nova cozinha que aliás ficou oáááátima. Na segunda almocei lá e fui pegar a mami pra resolver assuntos burocráticos do visto. De tardinha fomos na Evi conhecer a casa nova e dar um cheiro no Vitinho.



Na terça fui eu resolver nossas pendências bancárias e financeiras e mesmo o motivo de sua ligação tendo sido uma bronca eu fiquei feliz de ouvir a sua voz de trovão. Não fiquei brava porque vc sabe que eu não me chateio por qualquer coisinha.


Depois dos pepinos descascados, hora de relaxar e fazer mais visitas: fui conhecer a Pilar e o Chico Terra, que inclusive está concorrendo ao Ídolo do Ano (vide link do lado esquerdo superior da tela e votai). Ele merece muitos votos porque além de lindo, simpático e esperto, ele tem bom gosto para música e gosta de dançar rock´n´roll.



E o meu filho está cada dia mais lindo... sempre me fazendo companhia. Ontem fomos eu ele e a Elaiza comer sushi no Tatibana depois ele foi comigo dar um apoio moral e logístico no retocar da tatuagem.



Doeu mas só um pouquinho. Agora é que incomoda mais, pra dormir. Tomar banho tem que ser quase frio senão queima. Mas a dor maior é de saudade de você... te amo muito. Beijos e até a próxima postagem.

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Ao Bruno com saudades: Olha, você tem todas as coisas...


...que um dia eu sonhei pra mim... A cabeça cheia de problemas, não importa, eu gosto mesmo assim!

video
Depoimentos após o show do Oasis

Quase uma semana em Curitiba e não houve dia em que passei aqui sem ter o que fazer e sem sentir a falta do meu amorzão! Quarta foi a formatura, depois saímos jantar e ganhei de presente esta canção cantada por minha mãe no restaurante!

Quinta-feira acordei e nem lembro o que fiz, acho que fui na casa dos meus irmãos! Afff, que fiasco de memória. Enfim, sexta foi correria, saí com a Fátima pra fazer as compras da feijoada, e depois de tanto cortar linguiça, paio, costelinha de porco e charque até criar bolhas no dedo, me arrumei pra buscar a mami e ir comemorar o aniversário da Cris num barzinho bem bacana!

Sábado foi o almoço, e a feijoada da sogrinha fez muito sucesso! Levamos as parafernalhas sonoras e rolaram sons da Cosmonave, Criaturas e Uh La La! Sem falar nas jams malucas e intermináveis. Todas com a mesma letra: What what, in your but... hehehe...

Depois de muita cerveja, uísque e feijoada, toca todo mundo pro Porão assistir aos shows da Mordida e da Cosmonave! Lá dancei até me acabar e acabei conhecendo dois fãs de Ivaiporã (que atualmente moram aqui em Curitiba) e daí já viu, né, a Xanda já fica se aXando. Hehehe!

Juninho e Allan - queridos fãs!

Mordida como sempre é bom, C4 na banda é peso e energia! E o Ivan como sempre detonando na bateria, mas dessa vez ele estava especialmente inspirado, sorrindo e cantando junto. Paulo pulando feito louco, com um capacete cor-de-rosa na cabeça, presença de palco e aquela sonzeira digna de abertura do show do Oasis...




Cosmonave está uma massa sonora inacreditável! Ai que eu quase morro de orgulho desses meus pupilos lindos, tão novinhos e tão talentosos! E o mais legal foi olhar pra trás e ver o público cantando as músicas de cór e salteado... tia coruja sim, mas com toda propriedade... hehehehe...

Mãezarada bonita!


Domingueira dia das mães teve churrasco na casa dos meus irmãos e deu pra curtir a sobrinhada, que gostoso! Mas devido ao show do Oasis, tivemos que sair no meio da festa - eu, o Yan e o Yuri, que graças aos Cachorros Grandes que deram 2 entradas vips pra Ari e pro Siri, conseguiram descolar os 2 ingressos que eram deles e o que é melhor, só por 50 pila!



Foto: Ana Luiza Calliari


Fizemos uma concentração na casa da Elaiza e da Ju, tomamos mais umas beras e alguns uísques até a van que alugamos chegou... nos lançamos para o show e chegamos, para nossa surpresa, na primeira música do Oasis. Eles adiantaram o show em uma hora e por sorte não perdemos o show!



Sobre o show, nada que eu diga vai conseguir expressar o que eu senti. Eu estava um grau além, num outro nível, sem precisar de nada além de algumas cervejinhas e o som, aquele gravão dando porrada no peito e fazendo o coração bater ainda mais forte. Impecável - esta é a palavra; os caras são tão bons e as músicas são tão fortes que eles mesmo não precisam fazer nada além de tocar. Nem preciso dizer que chorei - imagina se eu ia conseguir me segurar. Chorei de emoção, pois além de estar assistindo a um puta showzaço, estava aos lados dos amigos que amo tanto, Caetano, Eliza, Ari, Siri, Lu, Crivano, Ana Lívia... e chorei de saudades também. Porque só faltou mesmo o Brunão pra atingir a alegria plena! Mais suspiros e os olhos embaçados... ai ai! Mas tá bom. Deixa eu me recompor...


Bruno, todos aqui sentem muito sua falta. As crianças então... João Pedro a primeira coisa que me perguntou foi "cadê o Bruno". Bia também, Vini, Gabi, Luiza... e o Ciço não para de me lembrar que o tio Bruno vai mandar o Speed Racer pra ele.


Te amamos muito e você faz muita falta para todos aqui. Meu amado, amado por todos... muitas saudades! Te amo mais que tudo... em breve vou editar alguns filminhos e coloco aqui! Beijos meu amor...

terça-feira, 5 de maio de 2009

Ao Bruno com saudades: Quando eu estou aqui...

...Eu vivo este momento lindo, tchurururuu, tchururuuu, tchururuuuu!!!

Finalmente, após uma looooonga viagem e três conexões - Charlotte Miami, Miami São Paulo, São Paulo Curitiba - entre muitos check-ins e check-outs de bagagem, cá estou no computador do sogrão a postar o primeiro episódio desta nova série (inédita e limitada) do Diário de Bordo, intitulada "Ao Bruno, com saudades"; mais um oferecimento Xandy & Brunior Produções.

Ainda não consegui respirar direito. A viagem foi cansativa - não dormi. Em parte por causa da ansiedade da chegada, outra parte por medo do avião cair, another parte por causa dos roncos do passageiro vizinho, e outra parte por estar apavorando no poker online que agora tem no avião, no qual você joga com outros passageiros insones, tudo sem sair da sua desconfortável poltrona.

No dia em que cheguei - ontem? não sei! estou com uma sensação estranha de suspensão no tempo - o Ivo e a Fátima me buscaram, almoçamos com as vós Diva e Rosa e com o Caetano e a Eliza. De tarde fui resolver pepinos, experimentar beca, levar convites para amigas, buscar correspondências no nosso ex-chateau, de noite vieram Cris, Inhaminhumi, Dudu e Bozo me visitar e comemos pizza e jogamos pebolim e ouvimos Criaturas new generation.

Dormi, acordei sete da matina pra ir no ensaio da formatura e voltei almocei fui no salão fiz depilação maquiagem cabelo mão pé voltei me vestir fomos pra reitoria tiramos fotos e eu de salto e o salto me matando mas eu nao sentindo muito nada, porque na verdade tudo é tão corrido que não dá pra sentir direito...

Fora é claro o fato da falta do meu amor - ah, o meu amor, como eu sinto, sinto muito, sinto tanto! Brindei o meu amor agora há pouco porque sem ele nada disso seria possível. Lááááá longe. Mas ao mesmo tempo aqui, here there and everywhere, em cada poro, em cada fração de segundo, nas lágrimas que não consegui conter e que derramei sem parcimônia alguma antes e durante a cerimônia de formatura, e pra ser sincera já algumas vezes desde que parti para cá. É bom estar de volta... ruim estar sem o Bruno.

Assim minhas alegrias estão as sim pe la met ade. Mas são tantas emoções!

Bruno! Saudaaaaades sem fim... cheguei mas ainda não estou aqui. Estou assim, suspensa no ar, no tempo, nas nuvens, no limbo, estou feliz e triste, mas estou a cada dia mais certa de que você é o homem mais perfeito, e feito só pra mim.

Olha eu recebendo o diploma:


video


Ao Bruno, com Saudaes...

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Poemetos embriagados e despretenciosos de um poeta-Panda.

Meus sentimentos

O que dizer numa hora dessas?
Nenhuma palavra é conforto
A realidade oscila por um instante
Será que estou sonhando?
Não pode ser verdade.
Mas é.

A vida não passa de tudo isso
Que vem antes da morte.
Vacila-se uma vida inteira
Com uma única certeza:
A morte.

O clichê, o chavão mais manjado.

Tem que ser forte.
O tempo cura a saudade
Matura, transforma em sorriso
E às vezes sim, incomoda.

Isso. Chora que é bom.
(Abraço com tapinhas nas costas)
E o silêncio complacente dos fortes.
Afinal, que dizer numa hora dessas?

Ele está tranquilo.
Está melhor do que nós.
Está com Deus.
Deus quis assim.
Deus escreve certo por linhas tortas.
Veja em seu rosto que semblante sereno!

Força um sorriso amarelo,
Olhando pro rosto cinzento.

À frente das boas intenções
Cada palavra soa estridente
Esmaga o coração a ponto de extrair veneno
Corroendo cada pedaço
Muita dor no peito
Dilacerado mais a cada instante.
Lentamente.
Até que passa.


Refletindo sobre o sentido da vida


Qual o sentido da vida?
A vida não tem nenhum sentido
Você a direciona para onde bem quiser
A vida é somente um experimento
Uma boa - ou má - experiência
Depende do que você quer
Por isso a vida não passa
De uma sequência de decisões
- Indeciso não se pode ser
O que você vai escolher?
Tudo ou nada?
Tudo.


Recado para Drummond

No meio do caminho tinha uma pedra.
Eu era a pedra no meio do caminho.


Confusion

Como eu me sinto right now.
A little bit sad.
Por que?
I don't know at all!


Mais reflexões sobre o sentido da vida

A vida é uma novelinha do Henry James.
Daisy Miller.


Ser ou não ser

Um poeta, quando escreve, mal quer saber de teoria.
Eu, quando escrevo, só me preocupo com teoria.
Por isso nunca serei poeta, teoricamente.


Sobretudo sobre nada

Mais uma semana que passou voando!
E eu... voando!


Uma Tragédia de Ésquilo

Hoje um esquilo estava aqui no meu quintal.
Lépido, faminto, faceiro.
Me aproximo com cautela.
Esquilo medroso!
Fugiu!!!


Minha vida

Pessoas me questionam o tempo todo.
Quem eu penso que sou?
Que quero pra minha vida?
Que fiz de bom?
Ora, não interessa.
Pergunte-se a si mesmo
Quem você pensa que é?
Que quer da sua vida?
Que fez de bom?
Mas não me diga.
Pois sua vida não me diz respeito.
(Mas eu aceito uma sugestão!)


Medo da Morte

Sou feliz.
Tenho sorte.
Mas de uns tempos pra cá
Tenho tido medo da morte.
Acho que porque tô ficando velha.
E quanto mais velha eu fico
Fico mais perto do fim
(Que nem sei se é fim)
Eu fico pensando que logo eu vou morrer
Do coração, num acidente de carro
Numa pane no avião
De câncer no pulmão
Não sei como, mas fico imaginando
Como eu vou morrer então.
Pois que a morte
É sorte certeira de todos
Mas eu queria ser que nem antes
Não pensar nesse dia
Nem imaginar que pode acontecer comigo
Encontrar no meu próprio umbigo
A vida plena de diversão.

Tenho medo de morrer
Porque amo a vida
E me dá prazer
Acordar de mau-humor
E cumprir com a obrigação
De viver um dia após o outro.

Mas quando eu morrer
Eu quero choro e quero vela
Sem essa de fita amarela
Porque eu gosto - sempre gostei - do preto no branco
Quero sim muito pranto
Muita saudade sentida, chorada
Eu quero ser lembrada
Por muitas gerações.

E a chuva tá vindo.
Vou entrar lá, lavar a louça.
Quem tiver ouvidos para ouvir,
Ouça!


O lado de lá

Entre o lado de lá
E o medo de morrer
Há muita relação
(Para medo de morrer
Leia-se lado de cá)

A vida começa assim
Sem saber o que é a morte
E termina igual
Sem saber o que é a morte.

Crenças e religiões
Para dar sentido à vida
Inventam sentidos para a morte
Mas vai saber o que é a verdade?
O importante é acreditar
Em qualquer coisa que seja.
E fazer o bem, sem se importar a quem.

Mas se fazendo o bem a alguém
Comete-se o mal a outrém
Não tem escapatória
Não há uma solução
Nem sequer há esperança
De total compreensão.

O mundo é assim
Fazer o quê...
É a lei da evolução.


Entendimento

Ao homem não foi dado o poder da compreensão.
Ao homem foi relegada a simples aceitação.
Se é assim, é porque tem que ser.
Esta é a única boa explicação!


Acabou o carnaval

Se você pensa que cachaça é água
Você é um completo idiota!


Como os pássaros voam

Esqueça a ciência.
Se os ossos são pneumáticos
Isso não importa.
Os pássaros voam
Por que? E como?

Os pássaros voam
Porque são anjos
Que nascem de um ovo
Que precisa ser quebrado.

Ao quebrar a casca
Os pássaros afiam seus bicos
E abrem espaços
Para abrirem suas asas

O primeiro vôo dos pássaros
É sempre seguido de uma queda.
Se longe dos predadores
Sempre encontram nova chance para sair do chão.

E é por isso que os homens não voam.
Ou porque não quebram a casca do ovo
Ou porque, quando quebram,
Os predadores os dominam então.

E também porque os homens não são anjos.

Meu fígado

Meu querido fígado!
Como vai você?
Dizem que estou lhe judiando.
O que você me diz?
Devo parar de beber?
(Nenhuma resposta)

Adorável fígado!
Você produz a bile
O fel de cor amarela
Que antes de eu tirar a vesícula
Ficava armazenado nela.

Fígado amado!
Em tempos idos
Tu eras o coração e a mente dos poetas!
E o que és hoje?
Não mais que fígado.
Pobre fígado.
Aguenta firme.
Estamos juntos nesta jornada

Yan

Meu poeta urbano!
Humano...
Já dizia Manuel Bandeira:
- Amor: chama, depois fumaça.
Chama que queima
Fumo que embaça.
E dizia você aos 5 anos, nem isso:
- O amor é brega, mas é massa.

domingo, 3 de maio de 2009

Poeminha da Partida


A hora da partida está chegando!
E eu partida ao meio...

Anseio pela chegada
Mas quero que a volta seja breve.

Fico feliz por saber que logo, logo
Vou reencontrar tanta gente que eu amo

Mas fico triste por deixar aqui sozinho
Quem no mundo mais eu amo.

sexta-feira, 1 de maio de 2009

Recordar é Viver IV


Jantar à Luz de Velas


Esta foi uma noite inesquecível. Nossa Vó Diva, cujo nome já indica que nela transborda todo o glamour que se pode encontrar numa dama - nos convidou para um jantar francês num Bistrô ali no Batel. Coisa fina. Fomos eu, o Bruno, a Vó Diva e a Vó Rosa, que no auge de seus 90 anos, jamais esmoreceu perante uma oportunidade de festa.

Chegamos, escolhemos uma mesa mais ou menos na frente do telão que iria mais tarde exibir um filme francês, para que assim pudéssemos assisti-lo sem a interferência sombria de cabeças alheias.

Cada um pediu o prato de sua preferência - engraçado, acho que ninguém encarou um escargot - e tudo estava correndo bem até que a Vó Rosa, com a mão na frente da boca, arregalou os olhos e começou a se abanar.

Pensei que a comida tivesse quente, mas de repente ela começou a ficar vermelha, levantou os braços, o Bruno logo viu que a vó tinha se engasgado e se levantou bruscamente da cadeira para dar uns tapinhas (que não foram assim, tapinhas delicados) nas costas da Vó Rosa, que, já perto de ficar roxa, num 'cof' bem sonoro e colocado, conseguiu desengasgar, pondo para fora - mas com o cuidado de ser dentro do prato - o pedaço de carne que lhe engasgara, e, para surpresa de todos, a sua dentadura!

Passado o susto e recolocada a dentadura em seu devido lugar, a gente não se aguentou e começou a dar risada. Nossa sorte foi que, sendo o jantar à luz de velas, ninguém além de nós assistiu à cena (ou pelo menos a gente quer acreditar nisso).

Ai, mas a vó ficou brava! Onde já se viu uma carne tão dura? Mas nada que uma boa sobremesa e uma taça de champagne não tenha logo resolvido.

Dali a pouco começa a projeção. Como disse, o filme era francês mas dava pra entender tudo, afinal de contas, o filme era mudo. De repente, surge no meio da escuridão um ruído que me era familiar. Olho para o lado e vejo o Bruno com a cabeça pendida para trás, roncando muito, no quinto sono!

Tudo bem que o filme era mudo e não muito interessante, e que a gente tava com a pança cheia e tinha tomado umas tacinhas de champagne e já era meio tarde da noite, mas que gafe! Ainda bem que estava escuro e não dava pra ver a cara das pessoas em volta... assim, antes que algo mais acontecesse e o filme terminasse e as luzes se acendessem, a gente resolveu ir embora!

E foi assim que "apavoramos" um jantar chique no Bistrô francês do Batel. Não sei por quê, mas a Vó Diva depois desse dia nunca mais nos convidou para irmos lá... hehehehe...

Ó que bonito!




Mal vejo a hora de chegar aí... serão tantas emoções! Vejamos por ordem de data as emoções que já estão com dia e hora marcados:

05/05- Desembarque no Aeroporto Afonso Pena às 9:55
06/05- Solenidade da minha formatura!
08/05- Aniversário da minhirmã Cris!
09/05- Almoço de Formatura na casa dos sogrões!
10/05- Show do Oasis!
15/05- Prova do Toefl às 9:00 (bléé)
16/05- Casamento da Bia Wolpe com o João!
26/05- Pré lançamento do nosso CD na Fnac!
29/05- Embarque às 19:50 de volta aos braços do meu amor.