quarta-feira, 4 de março de 2009

Charlotte Bobcats X Chicago Bulls


Ontem fomos pela primeira vez num jogo de basquete. O jogo nem foi tão emocionante, visto que o Chicago Bulls não é mais aquele, e os Bobcats (antigo Charlotte Hornets) venceram com facilidade seus adversários. Compramos o ingresso mais barato e ficamos lá looooonge, mas depois, como bons brasileiros, sentamos em outro lugar mais perto, uma vez que a arena não estava lotada e havia muitos assentos vazios. É claro que não pudemos chegar tãããão perto, pois nestes setores ficam uns fiscais que conferem os tickets. Também não conseguimos assistir ao jogo inteiro devido aos imprevistos enfrentados. Só vimos os últimos dois quartos.

Quanto aos imprevistos enfrentados... bom, acordamos cedo e fui levar o Bruno no trabalho, para poder ficar com o carro e ir buscá-lo no fim da tarde, para então dar tempo de vermos as casas com a mocinha da imobiliária. Deu a hora de eu sair, o carro não ligou. Subi em casa pra ligar pro Bruno e avisar que o carro não funcionava, então expliquei o que estava acontecendo e ele pediu para eu descer, pegar o manual do carro e ligar para a concessionária. Voltei lá, tentei dar a partida de novo e de novo nada, peguei o manual e tentei encontrar o tal telefone da concessionária sem sucesso.

Seguindo então os conselhos do Bruno, após outra ligação ofegante e nervosa, busquei no manual algumas informações como trouble shutter, ou malfunction, e também nada. Desci de novo, tentei nova partida e novamente nada. Notei então que poderia ser a bateria, pois sempre que eu acionava a ignição fazia um barulhino, tec-tec-tec.

Desespero. Depois de muitos sobes e desces e ligações para o Bruno, cruzei com uma de nossas vizinhas e ela me aconselhou a ligar pra segurança aqui do condomínio, que eles me ajudariam. De fato, eles me deram um telefone de uma empresa de confiança. Liguei lá e falei num inglês macarrônico: Hi, this is Alexandra, I think my car's battery is dead and I need you to jump it out. Jump out é uma expressão que a minha vizinha, Tamy, acabara de me ensinar. Porque eu não fazia a menor idéia de como explicar, em inglês, o que diabo tinha ocorrido com o carro e de que serviço eu precisava!

Mas deu certo. Euforia! A atendente, do outro lado da linha, entendeu bem o que eu precisava e falou: The service bla bla bla bla and its gonna cost bla bla bla ten dollars. Bla bla bla bla 30 minutes. Ok, eu disse, I dont have cash, can I pay by card? Yes, sure. E assim, em 30 minutos ela me assegurou que a pessoa chegaria aqui pra me ajudar. Daria tempo pra eu ver, pelo menos, uma das 3 casas - pensei, e chegaremos no jogo a tempo. Nesta altura do campeonato o Bruno já estava com a menina da imobiliária, ele ligou pra ela contando do ocorrido e ela foi buscar ele no trabalho, o que me deu ainda mais raiva porque ela é novinha, bonita e peituda! Assim não vale né.

Uma hora depois, já eram mais de sete então, o carinha chegou, fez a chupeta e o carro finalmente funcionou. Na hora de pagar, dei o meu cartão, ele perguntou se eu queria recibo e eu disse que não, besteira recibo de 10 dólares. Daí ele me olhou e disse: Mam, its not 10 bucks. Its one hundred and ten. Caraaaaaaaaaca. ONE HUNDRED AND TEN!? Really? Eu perguntei, com cara de boba. Ele levantou as sobrancelhas e afirmou: Yep. Agora já era. Whatever.

Enfim, fui buscar o Bruno, deprimida, humilhada, suada, tinha me arrumado tão linda, tomado banho, arrumado o cabelo, feito maquiagem, passado perfume. Cheguei descabelada, com asa, maquiagem borrada e a maior cara de bunda que eu posso ter. Contei pro Bruno do pavoroso misunderstood e ele não pôde fazer nada além de rir da minha cara e dizer pra eu me acalmar, que isso acontece. Nhé.

Enfim, foi um dia meio frustrante!!! Mas pelo menos rendeu uma boa história pro blog.

13 comentários:

Ivo e Fátima disse...

Aham!!!

Sogrão strikes again - primeirão de novo.

Dia cheio heim? Quanto ao valor do atendimento, mas não se preocupe mesmo, pois é a coisa mais comum a gente errar no entendimento desses valores. Mais algum tempo por aí e o negócio vai fluir 100% "smooth". Você vai captar tudo. E lembre também, que mesmo o Bruno com toda a vivência inglesistica dele reconheceu na minha frente que tem certas pessoas que ele tem que pedir para escrever o que querem para não fica a dúvida. E pelo menos foi "só" hundred bucks. Já pensou se fosse one thousand?

Quanto ao jogo, o lugar nem é tão importante - o que vale é o show!

O Bruno me disse que a casa de $1.100 estava muito ruim, né - que pena. Agora vocês estão vendo uma outra de $1.400 - mas ele está pedindo desconto. Espero que dê tudo certo nessa aí.

Beijos

Sogrão

Panda disse...

É, né... nada que tenha sido tão ruim a ponto de que não pudesse ter sido pior!

O jogo realmente foi algo curioso! O que são aquelas musiquinhas "narrando" as jogadas? Quando o Bobcats estava com a bola, uma música empolgante, quando o chicago bulls, uma batida primitiva... quando erravam a cesta de três pontos béééé, uma buzina. Quando acertavam, palmas pasteurizadas! E o estádio mais parece um shopping! Banheiros limpos, tudo automático. Levanta o bumbum da patente, pshshhsh, lá vem a descarga. Até assusta! Aperta aperta aperta o botão do sabão e não funciona, de repente, bzzz, sai a espuminha. Que botão, o quê, sensor elétrico! O mesmo com a água, que sai quentinha, e o papel toalha,que não esfarela na sua mão. Primeiro mundo é isso, nem na Arena da baixada deve ser assim tão chique.

Ivo e Fátima disse...

Eu aqui de novo.

Os jogos são todos assim mesmo. E a musiquinha empolgante no orgão, provavelmente tem um velhinho caquético lá tocando ao vivo. No jogo que eu fui em Indianapolis, quando o adversário atacava, entrava uma bandinha só de tambores tocando a tal batida primitiva - ao vivo.

E não tinha uma parte da torcida, atrás das tabelas, com aqueles tubos de plástico infláveis fazendo um barulhão enquanto o adversário tentava se concentrar para o lance livre? No jogo que fui em Toronto até eu "bati tubo" na hora do aremesso. E eles gritando "defense" quando o time adversário ataca? É tudo igual.

Não teve também showzinho de enterradas, ou arremesso do meio da quadra por espectador? Cada vez que um time pede tempo eles colocam alguma atração em quadra. Tudo para que o torcedor não se aborreça e esteja sempre de bom humor para poder consumir litros e litors de cerveja e toneladas de cachorro quente e outras coisinhas mais.

Isso sem falar no telão em cima da quadra, que fica focalizando espectadores. Agora é a hora das criancinhas - agora, a hora do beijo - daqui a pouco a do abraço.

No mínimo "nóis se diverti".

Quanto aos banheiros, a limpeza é algo inacreditável - no jogo de beisebol que fui em Indianapolis, fui no banheiro DEPOIS do jogo, e parecia que dava para comer no chão sem precisar de toalha. Impressive.

Mudando um pouco de assunto - não perguntei do carro - teve que trocar a bateria? Deram garantia? Será que foi o frio? Qual o desfecho da história?

Beijos de novo

Sogrão II

Panda disse...

Olha, teve tudo isso que vc falou, inclusive um show de batuque - muito mal batucado - no final pra comemorar a vitória. E as torcedoras dançarinas? Mas o público era comportado, bastante contido até. Não teve aquela torcida frenética!

O desfecho da história do carro é que ficamos 110 dólares mais pobres por cagada minha - por isso eu fiquei tão humihada - pois eu deixei o farol aceso e a bateria descarregou! Não tivemos que trocar nada e nem ganhamos garantia.
=|

Panda II

HeLô disse...

110 dolares pra ligar uns cabinhos é sacanagem!!! Mas pelo menos vc foi ao jogo de basquete! \o/

Panda disse...

Helô Kleine, que honra te ler por aqui! Nem me fale, sacanagem maior foi eu ter pensado que ia gastar só 10 dólares! Hehehhe... mas sim, deu pra chegar no jogo e me divertir um pouco. Depois de um dia daqueles, eu bem que merecia! Bjos

Tete disse...

Oi....chegando agora do trabalho, cansada, mas....lendo o blog!!!
Gostei da história de hoje, estes enganos são comuns!
Beijos

Tete disse...

Acho que ainda não contei que meu filho tailandês já está aqui em casa!!!!

Panda disse...

Oi teté, é o mesmo filho tailandês da Berna?

Alessandra Pilar disse...

Oi Panda,
Sem tempo pra deixar comentários, mas ando sempre por aqui. Essa história do carro, guria eu sempre esqueço a meleca da luz ligada, outro dia o carro começou a apitar, um barulhinho irritante e eu não sabia o que era, depois descobri que ele avisa que a luz tá ligada, e só para de apitar quando vc desliga. Acho que fizeram isso pensando em gente como nós... hahahaha.
E tomara que dê tudo certo com a casa, nada como ter o lugar da gente né? bjos

Panda disse...

Pois é, nem fale! O nosso carro tem essa buzininha pra avisar que não colocou o cinto, que uma porta está aberta, mas ela não tocou para lembrar do farol aceso. O Bruno não acreditou em mim. Daí, naquele dia mesmo, na hora de ele desligar o carro, deixou o farol aceso pra provar que o carro apitava, mas realmente não fez barulhinho nenhum!

Tininha disse...

Linda!
Há dias que parecem nada dar certo não é mesmo?
110 é bastante para uma chupeta. Rsss.
O dia terminou no jogo e isso que vale!
Mudando de assunto, hoje meu computador será formatado, e adeus vírus!!! IUPI!
Tenham um ótimo final de semana.
Pretendo visitá-los ainda esse ano.
Beijos com carinho Tina.
[;)]

Panda disse...

Tina, minha linda! Tô sabendo que tá de namorado. Hihihi. é verdade, hay dias que no los quiera. Mas que beleza que formatarás seu PC, assim vou parar de receber aqueles e-mails danadinhos. Beijos procê, minha mais nova seguidora.