quinta-feira, 24 de maio de 2012

Last Day in L.A.

The Getty Museum: só pela arquitetura, já vale a visita

Infelizmente, nossos dias estavam contados em L.A. Sábado era dia de partir. Juntar as tralhas, sair do hotel até meio dia, e tentar percorrer mais alguns lugares imperdíveis: o J. Paul Getty Museum e The Grove -- um conglomerado de bares, restaurantes, lojas chiques, e inclusive, uma feirinha que aqui eles chamam de Farmers Market.

Chegamos no Getty Museum pouco antes do meio dia. Meu mau "humouro" já estava à flor da pele, mais especificamente, à flor da pele do meu pé direito, por causa da dor. E quando eu vi o tamanho do museu eu disse pro Bruno ah não, eu não vou caminhar pelo museu a pé, porque depois de noite a dor fica insuportável, e ter que enfrentar aeroporto com dor, e não conseguir dormir no avião por causa da dor, ah não, eu não! E assim que desembarcamos do trenzinho elétrico que sobe a ladeira até chegar no topo da montanha onde fica o museu, solicitei uma cadeira de rodas e eles deram! Não precisamos pagar nada.

Foi muito engraçado a gente percorrendo o museu com o Bruno me empurrando na cadeira de rodas. As pessoas nos sorriam piedosas e abriam alas e saíam da frente pra eu olhar as obras: Monet, Manet, Van Gogh, Renoir, Toulouse Lautrec, Goya, entre muitos outros artistas europeus renomados. Foda foi aguentar o Bruno me chamando de Aleijadinha, e me ameaçando jogar das escadas, que eram muitas!

A coleção de arte do Getty é variada, tem alas só de móveis e objetos de decoração desde a idade média até a renascença. Tem uma exposição maravilhosa de fotografia. Outra de desenhos. Tem um instituto de pesquisa e de conservação de obras de arte. E claro, tem a paisagem, e a própria arquitetura do lugar, tão moderna, clara, imponente. Gastamos quase a tarde inteira lá e já eram mais de cinco horas quando saímos para o Grove.

Uma das vielas charmosinhas do The Grove


The Grove é um centrinho meio histórico e moderno, super hipster, com música e performances artísticas, lojas chiques, restaurantes descolados, chafarizes, jardinzinhos, até um bonde passa por lá! Jantamos numa barraquinha de comida italiana no Farmers Market, escutando uma banda estilo bluegrass (mas sem banjo, se é que isso é possível). Depois tocou uma outra banda, de blues. Lá pelas nove da noite fomos pra downtown. Eu tinha sido gentilmente convidada no dia anterior a comparecer a uma festa de aniversário de duas estudantes da UCLA que conheci na conferência.

Under the bridge downtown...

O barzinho onde estava rolando a festa, Las Perlas, era especializado em tequilas e mescais. O pub era muito legal, não muito grande, e todo decorado com Chican@ Art. Cactus, caveirinhas, Nossas Senhoras de Guadalupe, flores, garrafas, chapéus. As paredes eram verde-água, o banheiro era cor-de-rosa, todas as coisas tinham umas cores meio esdrúxulas, mas de certa forma davam um senso estético que fazia todo sentido naquela hora.

A vista do balcão do Las Perlas.


Tomei duas margueritas e o Bruno uma coca-cola, curtimos a festa até às onze e pouco, nos despedimos e saímos rumo ao aeroporto. Que pena, bem quando a festa estava ficando tão boa!

Algumas informações (in)úteis:

  • Músicas que não saíram da minha cabeça: California Dreaming... Garoto eu vou pra California viver a vida sobre as ondas... Eu já tenho um Cadilac, moro aqui em Hollywood, sou o rei cantando mambo. Mambo! Mam! Bo!
  • O que mais tocava nas rádios e dentro dos estabelecimentos comerciais: Red Hot Chili Peppers
  • Músicas incompatíveis que a banda de bluegrass sem banjo tocou: Viva la Vida, ou algo assim, daquela banda chata bragarai, Cold Play, e Can't Buy me Love, dos Beatles.
Algumas observação (in)cômodas:
  • Pela primeira vez que eu vi o mundo sob a perspectiva de um cadeirante. As obras de arte obviamente ficam numa altura inadequada se quiser ver a obra de perto, e a luz incide de maneira que a contemplação de algumas telas fica comprometida. 
  • Manobrar uma cadeira de rodas exige muita força e destreza. Parece tão fácil, vendo aqueles jogadores de basquetes nas Para Olimpíadas! Mas não é. E, acima de tudo, impossível não se sentir uma estranha, dependente, e um estorvo, diante de tanta piedade das pessoas, e do esforço de quem te empurra pra lá e pra cá, abre a porta, segura o elevador, tira foto, e faz tudo pra você. 
  • De noite passamos por um monte de moradores de rua em barracas (iglus) armadas ao longo da calçada, no centro da cidade. Cheiro de fumaça e urina. Muito chocante ver aquela pobreza escancarada, depois de ter visto tanta neighborhood maquiada, perfumada e perfeitinha. 
Assim, nosso California Dreaming was over. Aaahhh... que triste, né? Ná. Nem tanto. Afinal, não há melhor lugar que o nosso lar. E outras aventuras logo virão. Quem viver, lerá. 


5 comentários:

Ivo disse...

Pandinha linda

Quando estivemos em LA 15 anos atrás, também fomos no Getty Museum, só que era na sede "antiga" e grande parte da coleção já havia sido transferida para a nova, que ainda não estava aberta à visitação. Com essa visita à sede nova (nem tão nova assim, com 15 anos de idade...) vocês nos "vingaram".

Beijos do Sogrão

Panda Lemon disse...

Sogrão a jato, farejou a postagem e comentou antes mesmo deu divulgar! A lôco!

Unknown disse...

Ola...to meio atrasada...digamos assim uns meses...
Não sei porque depois de uma atualização do computador eu não conseguia mandar minhas mensagens e acabei por desisitir, só po um tempo!
Agora meu guru para assuntos de computador me mostrou o caminho novamente...espero que de tudo certo ou me revolto e fico mais ns meses em silencio.
Não me diga que voce nem notou que eu não comentava mais...ou me suicido!
Como sempre adorei a postagem, parece que estou lendo uma cronica sobre LA, é um despedicio de talento esta menina....muito mais pessoas deveriam ter o privilégio de le-la. Assim como de ver o Circo de Soleil pelo menos uma vez na vida.
Que delicia de viagem heim? Mistura fina de trabalho, passeio, cultura, gastronomia e muita diversão.IHHH o sogrão acabou de dizer aqui que já tem postagem nova, só eu não vi, não atualizei a aba, damhhhh
Vou lá e já volto.
Beijos

Fatimins

Panda Lemon disse...

Fatimoca, que bom que vc conseguiu comentar (e veja só, duas vezes, uma inclusive com direito à pole!)

Sabe que meu blog tem sido bem lido, apesar de pouco comentado. Para vc ter uma ideia,

Postagens
A cumplicidade dos patos tem 4 comentários, mas
1.291 Visualizações de página.
Sobre a Reforma Ortográfica só 3 comentários
mas 974 Visualizações de página. Entre os mais comentados, Vida de Panda, com 25 comentários e
746 Visualizações de página. Seguido de
As depiladoras que me desculpem...
com 17 comentários
e 605 Visualizações.
Pare de Fumar Hoje: Método Revolucionário!
tem sido muito acessada via google.

Mais estatísticas no próximo comment!!!!

=D

Talita disse...

Legal Xanda!Viva atecnologia!