quinta-feira, 29 de julho de 2010

Mais uma noite com Paul!

Foto de Jeff Siner, Charlotte Observer.

Ver o Paul pela segunda vez em menos de um ano é privilégio de poucos. Uma das vantagens de morar nos States. E oportunidades como estas devem ser sempre aproveitadas, no matter the price or the sacrifices you make. Ver um show do Paul sempre vale a pena!




Chegamos às seis da tarde na Time Warner Cable Arena, onde uma multidão já se aglomerava esperando pelo que seria mais um dos momentos mais felizes das nossas vidas. Na fila, calor de quase 40 graus e uma ansiedade gigantesca até a abertura dos portões. Foram mais ou menos 15 minutos até chegarmos nos nossos assentos, que ficavam na última fileira lá nas alturas do ginásio, do lado esquerdo do palco. Um lugar péssimo, nem os telões dava pra ver direito. Fiquei revoltada. A gente não comprou os inressos mais baratos justamente para evitar a possibilidade de ficar num lugar ruim. Palhaçada!

Pra começo de conversa, acho o fim da picada show de rock com lugar marcado. E com assento. Então, como bons brasileiros, a gente resolveu sair de lá e tentar umas falcatruas. Sentamos mais pra frente. Chegaram os donos dos assentos e tivemos que sair. Ficamos na entrada da nossa seção. Vieram os guardinhas e nos mandaram embora. Mas quando o show começou, toda a frustração e o mau-humor da revolta se esvanesceram. Subimos e ficamos lá nas alturas de novo, no fim da escadinha e de pé, pra poder dançar e curtir o show e, pelo menos, ver o telão.


Foto de Jeff Siner, para o jornal Charlotte Observer.

O show foi praticamente o mesmo que assistimos em Atlanta ao lado do sogrão e da sogrinis. Com excessão de Obladi-oblada, todas as músicas tocadas estavam no repertório que vimos, tão de perto, em agosto do ano passado. Agora, de longe, deu pra curtir o som! E é claro, sentir a mesma emoção, a mesma sensação de incredulidade. O simples fato de compartilhar o mesmo teto, de respirar o mesmo ar que Sir Paul McCartney, e de ouvir sua voz em mil alto falantes, já é fantástico! Deveria me envergonhar de reclamar com a barriga cheia...

Mas paguei o preço... uma mulher maluca quis arranjar briga comigo dizendo que eu derrubei o copo de vinho dela. Detalhe, eu não chutei nenhum copo, fui acusada de algo que não fiz. E a mulher gralhando na minha orelha certamente não precisava de mais vinho, se eu realmente chutei o copo, ela deveria mesmo era me agradecer, pois mais vinho ali seria desastroso. Enfim, ela estava quase me avançando, quando o Bruno interviu e a colocou no lugar dela. Mulher louca. Depois ela ainda nos jogou uma praga: Bad carma will come to you. E eu disse: Yep, it's true, you are my bad carma. E lá com meus botões, eu lembrava... aqui se faz, aqui se paga.

Mas nem isso conseguiu estragar o show. Duas horas e meia de rock na veia, intermeadas por saudosas baladas e histórias que eu já conhecia do outro show... homenagens a Harrison, Lennon e Hendrix... brincadeiras com o público e doses certas de empatia e profissionalismo. Perfeito. Do Hofner pra guitarra, da guitarra pro violão, do violão pro bandolim, do bandolim pro cavaquinho, e do cavaquinho pro piano, Sir Paul McCartney provou mais uma vez que talento e energia ele tem de sobra!

Bom, nada que eu disser aqui vai soar tão bem como o próprio show. Então, deixo vocês com um vídeo que editei a muito custo, pois selecionar entre uma hora e 40 minutos de músicas e transformá-las em 5 minutinhos de vídeo não é tarefa fácil! Mas fiz com muito carinho especialmente pra vocês, meus queridos leitores... enjoy!




5 comentários:

Ivo e Fátima disse...

Primeirão

Ivo e Fátima disse...

Pandinha linda!!!

Mesmo que fosse no pior lugar do estádio, eu gostaria de ter estado aí com vocês de novo. Que saudades que deu.

Beijões do Sogrão

Talita disse...

INVEJAAAAAAAAAAA, INVEJAAAAAAAA, INVEJAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!!!

Que lindo Xanda e Brunior, ceis são uáaaaaaatimos e merecem tudo isso e o céu também!
Quando eu for aí no verão que vem, quero ir a um mega show também, nem precisa ser do Sir Paul, pode ser do James Taylor que fico feliz do mesmo jeito, rsrs

Agora ver um MONSTRO SAGRADO, ao vivo e a cores, ídolo de gerações e ainda por cima um Beatle é pra extasiar qualquer mortal. Mesmo tendo que enfrentar marias-loucas, lugar ruim, pois como você falou, quando começa o show tudo vira picuinha.

Vamos torcer pra que no ano que vem tenha repeteco e possamos ver juntas.

O video ficou com gosto de quero mais, rsrs um pedacinho de cada música só pra atiçar os sentidos, mas valeu e muito!

bjs

Panda disse...

Ifinha!!! Deu saudades não só de vcs, mas também da nossa viagem pra Vegas e do maravilhoso espetáculo do Circo de Solei, Love...

Sempre que quiser repetir a dose, estamos aí. Digo, aqui!

Bjos

Mamis lindis, no worries, a gente encontra um show legal quando vc vier. Mas precisamos saber com antecedência quando vc vem, porque aqui os ingressos começam a vender e se esgotam 3 meses antes do show propriamente dito! Falo sério!

O vídeo ficou meio falcatrua, mas como eu disse, tentei condensar um show de 3 horas em 5 minutos, muitas canções ficaram de fora, infelizmente... mas deu pra dar uma idéia do grau emocional de um show do Paul né? Dessa vez não chorei de emoção. Mas quase. Os zoinho encheram d'água e só. Será que estou ficando acostumada? Hehehe... amo vc mamis. Manda beijo pra minha irmã desnaturada e pro meu sobrinho lindo.

Fatima disse...

Xanda querida, saudade dobrada....do show do Paul e de Foz. Estou de volta à civilização depois de 5 dias na Chapada dos Veadeiros, sem TV, sem celular e sem computador. Só poeira, mato e cachoeiras, guia de campo na mão, boné, lápis e papel. Desta vez não esqueci de protetor solar e muuiiiito OFF. Poucos iriam curtir este meu programa de indio, mas acho que dentre eles vocês, Taninho e Ivo iriam adorar. Mando umas fotos asim que o Ivo passe-as para o computador pra mim.
Beijins