terça-feira, 20 de julho de 2010

Eu vi, você veja, a gente vimos e vamos lá...



video

Há oito anos atrás, eleger um presidente "desclassificado" (no sentindo elitista mesmo da palavra), tudo bem... era novidade. Era um grito de resistência, de protesto... era o povo querendo mudar o país de direção. E mudou? Sim, mudou. Pra melhor e pra pior, depende do ponto de vista de quem vê. Com o aumento do salário mínimo e com programas como o bolsa-família, o pobre ficou alguns merréis menos pobre. Os ricos, como sempre, mais ricos e a classe média, pagando pelos dois, empobreceu.

Quatro anos mais tarde, reeleger um presidente que se gabava da própria ignorância já era demais pro meu gosto. Depois de tantos escândalos e de tanta corrupção escancarada, com o Lulinha paz e amor alegando não saber de nada, a reeleição me soou indigesta. Ainda assim, o rabudo do Lula se deu muito bem e trouxe muitas boas coisas pra propagandear seus dois mandatos. Só o fato de que nosso país será sede da próxima Copa e das Olimpíadas de 2016 já é grande coisa. Sem falar na descoberta dos imensos poços de petróleo na costa do Rio de Janeiro, o que nos bota entre os cinco países auto-suficientes na produção e refinamento deste combustível. Mais sorte que juízo.

Sem dúvida o Brasil é hoje uma das maiores economias do mundo. Porém, se compararmos com outros países emergentes (China e Índia), a nossa economia foi a que menos cresceu e a que menos investiu em infra-esturtura, educação e na indústria. Portanto, o Lula pode ser carismático e sortudo, mas deixou muito a desejar. Em oito anos, poderia ter viajado menos e ter feito mais.

Agora, para suceder o seu mandato, Lula apoia esta canditata sem nenhum carisma, nenhuma classe, e sem nenhum discurso - pois mesmo em parco português, Lula tinha o seu. É minha gente... tem que rir pra não chorar. As eleições estão aí e as pesquisas assustam. Se quisermos mudar o quadro, certamente não é na Dilma que temos que votar. Se quisermos ficar na mesma lenga-lenga, se contentando com pouco - coisa que o brasileiro tira de letra - então deixemos estar o PT... o único partido dos trabalhadores que não gostam de trabalho. Que torra dinheiro público - o seu dinheiro, o dinheiro de todo cidadão trabalhador de verdade, que paga imposto - em viagens, festas, plásticas e propaganda enganosa.

Não quero parecer ingênua. Sei bem que os jargões que dizem que "o poder corrompe", e "ele rouba mas faz" são o que prevalecem, desde os primórdios, em nossa política. Não sejamos tolos, nenhuma mudança muito substancial vai ocorrer em nossa sociedade, independente do candidato que estiver no poder. Afinal, mudanças mais significantes na política são geradas somente através de mudanças radicais na estrutura, na base de nossa sociedade, e vice versa. Não é fácil, mas também não é impossível! Nada que não mude com o passar de algumas boas gerações...

Mas enfim... se política e religião não se discutem, melhor eu ficar por aqui... não sem antes dizer com todas as letras que eu já tenho um discurso: Dilma Rousseff, não!

10 comentários:

Anônimo disse...

Primeirão

Sogrão

Ivo e Fátima disse...

Pandinha linda

O vídeo está hilário, e as reflexões muito bem colocadas.

Beijso do Sogrão

Alessandra Pilar disse...

Pandinha linda! Saudades! Vou te mandar um email. bjocas

Fatima disse...

Xanda, concordo com tudo que você como sempre sabe colocar tão bem. A Dilma não!
Amanhã estou indo à Brasilia e vou ao Congresso! Deveria estar emocionada, mas não tô....e agora em quem votar? O Serra não é mau, mas não tem aquele algo mais que faz você acreditar que agora vai... A Marina Silva é ótima, mas é utópica. E agora José??
Um beijão enormezão

Ivan disse...

O discurso "Marina Silva é ótima, mas é utópica" é o que mais me revolta: é exatamente isso que querem que todos pensem, e que se conformem.
Pra mim, a Marina Silva é ótima. Ponto final. Quem quer votar apostando o voto, como se não valesse a pena votar em quem você acredita, mas em quem vai ganhar, joga o próprio voto fora e se submete à realidade. Qunado todo mundo sonha junto, o sonho passa a ser a realidade.
Desculpe, Fátima, desculpem-me todos, mas política gera esse tipo de inflamações...

Panda disse...

Não sei o que está havendo, desde que mudei o layout o vídeo do blog não aparece mais no navegador do Mozila Firefox! Vcs conseguem ver o vídeo? Pra mim só funciona com o Explorer. Meleca. Não gosto do explorer.

Mas vamos às respostas!

Sogrão! Será que um dia vc não vai cansar de ser o primeirão?

Pilar, email respondido.

Fatimoca, na minha opinião, o Serra é a única opção plausível que temos. Político experiente, inteligente, batalhador... oportunista sim, é bem verdade, mas convenhamos, que político que não é? Até a Marina Silva!

E Ivan, eu não acho que a "Marina Silva é ótima e ponto". Acho primeiro que ela, além de utópica, é muito emotiva e exaltada, e depois, muito cheia de boas intenções mas longe de ter cacife pra governar um país como o nosso.

Um terceiro fator que me faz discordar de sua digníssima pessoa é que votar na Marina agora é praticamente uma nulação do próprio voto.

Concordo com o fator sonhar junto, mas acho que depois de termos sonhado e realizado o sonho lula, todo mundo devia ter mais cuidado com o que quer sonhar, antes de tornar realidade e esta se tornar um pesadelo!

Ivan disse...

Discordo frontalmente de que "a Marina não tem cacife pra governar um país como o nosso". Isso é mais um item do discurso automático que se constrói pra rejeitar uma alternativa que é verdadeiramente alternativa em relação aos dois candidatos "lesmaslerdas". Ter cacife, no fundo, significa: estar já no esquemão, de rabo preso e mãos atadas, pronto pra jogar o jogo do poder (é-dando-que-se-recebe).

Veja o exemplo do Lula: em 1989, ele "não tinha cacife". Em 2002, com o PT aliado à pior ala da direita, ele virou um sapo palatável, cheio de cacife. E, em termos de preparo, o Lula é que nunca teria cacife nenhum, pois é um ignorante carismático, especialista em gafes que acabam aumentando sua popularidade...

Já o Serra (que tem "cacife") representa um retrocesso, e um prosseguimento do esquema SP-RJ controlando o Brasil, com a diferença de que os miseráveis perdem a política de esmola do Bolsa-Família. E do Bolsa-Educação, e do que realmente interessa ao país, a médio e longo prazo, ninguém fala...

Ainda mais, acho que você está confundindo o primeiro com o segundo turno, Xanda: se é pra votar sempre nalgum dos primeiros colocados na pesquisa, e não em quem você confia e acha que representa as tuas aspirações e sonhos, vamos deixar as pesquisas orientarem a eleição, e pré-qualificar dois pra fazer um turno único, só com quem tem chance.

Votar na Marina, ou nalgum candidato menor, que tem muito mais preparo do que os bonecões lesmaslerdas, não é "nulação", mas uma das poucas belezas que essa "democracia" nos permite. Desprezar isso é desprezar as ideias, sonhos e valores que estão ali, no fundo desse processo sujo e controlado pela grana e pela podridão do sistema - talvez assim, Xanda, você esteja desprezando as mínimas coisas que ainda significam algo no sistema político brasileiro.

Panda disse...

Ivan, aprecio seus pensamentos. Você tem sede de mudança. Você é cheio de paixão e de esperança. Você é sonhador, é poeta! Você tem o dom de inspirar as pessoas!

Mas não me sinto desprezando sonhos só por não querer votar na Marina Silva. E não acho que votar no Serra seja ou deixe de ser uma tática pra primeiro ou segundo turno. Simplesmente é a única opção que me agrada.

Cara, eu detesto política!

Ivan disse...

Ok, Xanda: façamos um "clinch" no debate: política é mesmo detestável, mas "muita política fazem aqueles que dizem que não fazem política", e "quem diz que não se interessa em política merece ser dominado por quem se interessa".
Xanda: acho válido você considerar o Serra a única opção que lhe agrada, mas discordo da argumentação (e já enchi o suficiente com isso).
Pra mim, o currículo mais respeitável quem possui é o Plínio Arruda (do PSOL); e a Marina já foi ministra, e tem "cacife cerebral" (digamos assim) - se o povão conseguir compreender que ela é capaz de fazer o que se esperava do Lula e não foi feito, essa eleição pode se transformar num evento verdadeiramente significativo e histórico.

Arre, desculpe, não me aguentei e enchi de novo...

Ana Balbinot disse...

Xanda e Ivan,
Concordo em tudo com o Ivan, e vou votar no Plínio. Tive a oportunidade de conhecê-lo,assim como a Marina, em Brasília, quando foram entrevistados pelo Carlos Chagas no nosso extinto programa Falando Francamente. O Plínio é um cara inteligente, super bem informado, com uma bagagem enorme, e coerência em seu discurso. É óbvio que ele não ganhará, mas na minha modesta opinião, é preciso que nós votemos em quem acreditamos, e ainda que seja apenas por 1 voto, aquele em quem aceditamos se fortalece, e lá na frente, quem sabe, somadas as forças de todos os "fracos", o poder possa ser de fato a quem pertence de direito.
Beijão meio depressão com esta história de eleição ...