quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Eu, me, comigo.

Chamaram-me Alexandra desde o dia em que nasci.
O tempo foi passando e, é claro, eu cresci.
Passou o tempo, passou o ônibus, passou o Halley, mas eu não vi.
Aliás, perdi muita coisa.
E na insignificância de minha existência, ainda não fiz nada de muito importante.
Mas ao longo do caminho eu, errante,
aprendi que – como tudo – o muito importante
é muito relativo.
Mesmo assim, não entendo nada sobre a relatividade das coisas.
Para mim, ela é somente uma explicação simples pra tudo.
E talvez seja por isso que simplicidade resida nas coisas mais belas do mundo.
Mas peraí! O mundo não é complexo?
E existe coisa mais relativa do que as coisas mais belas do mundo?
Não, definitivamente! Não posso discorrer sobre a complexa relatividade de tudo.
Do belo, do mundo, de mim e de todos.
O paradoxo é inevitável.
Todos os caminhos são ruas sem saída.
Sei que minha história será apenas mais uma parábola.
Uma repetição de tudo que nasce, cresce, fortalece, reproduz, enfraquece e depois morre.
E assim, recolhida em minha finitude, ajudo a expandir o infinito circundante.
Explosões de constante mudança pulsam em mim agora e a cada segundo.
Nunca fui a mesma pessoa.
Nunca serei.

6 comentários:

Ivo e Fátima disse...

PRIMEIRÃO

Demorou mas atualizou.

Sogrão

Ivo e Fátima disse...

Pandinha linda

Não concordo que você não fez nada importante no mundo até agora.

Quantas pessoas no mundo conseguem, nessa tua tenra idade, já ter feito um sogrão (e uma sogronis...) feliz, morar fora do país de nascimento (e por duas vezes...), ser professora numa importante universidade americana, ter um blog seguidíssimo, etc.

Beijos do Sogrão

Talita disse...

Isso mesmo Xandica, concordo em gênero, número e grau com Ivo e Fátima!
Você fez muita coisa importante sim, senhorinha e entre elas muitas músicas lindas, já escreveu um livro, agora só falta plantar uma árvore e claro ter um filho(a), rsrs...pra completar a felicidade dos sogronis e da mamis aqui, né?
bjs duplos!!

Alessandra Pilar disse...

Parabéns para Sogrãooo!!! Imbatível na pole. hehe
Bom, e tenho q concordar com ele. Você já fez um monte de coisas bacanas, fora essas que sogrão citou: já escreveu um livro, já lançou um disco e consegue com sua simpatia e doçura nos fazer feliz. Mesmo eu, amiga nova (mas que se considera antiga devido a todas as nossas incríveis coincidências e gostos em comum), vez em quando me vejo sendo animada por você, cara Alexandra!
Minha xará é o máximo, já sou fã incondicional!
bjinhos
;o)

saudades...

fatima disse...

Olaaaa!!! Que guria mais boba, não fez nada ainda..tolinha. Faz um neto, ora bolas...só umzinho, planta umas arvores, planta bananeira...seilá..mas não deixa de atualizar o blog!
Pelamordedeus, criatura, e o Criaturas????
Pandinha, você é uóóó´tima e faz o Bruno feliz, pra mim já é demais.
Beijosssss

Panda disse...

Meus queridos assíduos amados amigos familiares e leitores!!!

Vcs não viram que eu escrevi que – como tudo – o muito importante
é muito relativo????

Bem... esse pequeno e híbrido pedacinho de texto escrito por mim sobre mim, foi escrito há muitos anos atrás, quando eu não ainda nem sonhava em ter banda, ter livro (que apesar de pronto, não foi lançado), ter Bruno, ser formada, morar no estrangeiro, dar aula na UNC, nem sonhava com muitas dessas coisas boas e importantes de que minha vida, felizmente, sempre foi repleta.

Mas eu na minha pouca modéstia, nunca acho que o que tenho é o suficiente e sempre estou em busca de mais,

Também acho que esse texto bobo não está à minha altura. Mas na falta de tempo pra postar, estou pegando esses fragmentos do passado e colocando aqui.

Desculpem, meus queridos, eu sei que vcs merecem mais de mim, mas infelizmente a coisa aqui tá corrida, tanto que essa resposta vai assim mesmo, generalizada pra todos!

Um dia quando eu estiver mais ninja em ler e escrever os trocentos textos em inglês pros trabalhos, análises e pesquisas que preciso entregar pras matérias do mestrado eu voltarei a ter tempo pro blog, prometo.

Beijos!!!!!