quinta-feira, 8 de agosto de 2013

San Francisco nas Alturas




Nossa missão dominical era manter o padrão das férias numa sucessão de dias perfeitos. Confesso que estando na Califórnia, não é preciso fazer nenhum esforço. San Francisco é uma cidade verdadeiramente maravilhosa, não há como perder a viagem. Qualquer ônibus errado vai te levar para algum lugar certo.

Depois de um café reforçado, seguimos de ônibus até o pé dos Tween Peaks. Dos morros gêmeos se pode ter uma vista de 360º da cidade. Digo se pode ter porque não é nada garantido. Há que se contar com um pouco de sorte. San Francisco vive nas nuvens, em questões de minutos o nevoeiro chega e você só vê o seu nariz no meio de um branco denso, frio e úmido.


Mas mesmo com as pernas podres da mountain bike adventure do dia anterior, a gente conseguiu subir nos dois morros e vislumbrar a cidade numa manhã estarrecedora. A contemplação foi prazerosa e durou mais ou menos 20 minutos. Logo a neblina veio apagar a vista. A gente então desceu a pé até o Golden Gate Park, uma pernada e tanto, deu o maior suador, o que de certa forma foi muito bem vindo para queimar calorias e assim espantar o frio do verão São Franciscano.

A caminhada valeu a pena, não custou nada, durou menos de uma hora, e passamos por encostas cinematográficas, com casas que pareciam vitrines, ornadas com flores e jardins milionários. Quanto será que custaria pra comprar uma daquelas? Uma fortuna. Mas a vista não tem preço...

Chegando ao nosso destino, vimos que o parque era gigantesco, e que ficava exatamente numa das extremidades da Haight -- a rua mais hippie da California, por onde todas as revoluções dos anos 60, se não começaram, pelo menos passaram por lá. Só que os bicho-grilo paz e amor de ontem, são os sem-teto com Mac Book Pro de hoje e amanhã.



No meio da Haight tinha uma Amoeba.
Tinha uma Amoeba no meio da Haight.
A Amoeba é um oásis, um verdadeiro paraíso musical.
Parada obrigatória. Metros e mais metros quadrados de som e fúria!
Dá pra ficar horas... dá vontade de comprar tudo.

Saindo da loja de discos, decidimos alugar umas bikes de novo, pra tentar cobrir a maior parte parque, que era grande demais pra se conhecer a pé. Pedalando seria mais rápido, e também mais seguro. Gente doida. Gente deitada dormindo. Gente fuçando nos lixos buscando comida. Punks, skinheads e metaleiros tatuados bebendo, conversando com negros que tocavam tambores com loiros cabeludos hippies. Todos vendiam maconha.

Alugamos bicicletas mas quase nem pedalamos nada, porque logo nas primeiras milhas nos deparamos com um concerto de orquestra na concha acústica do parque. Paramos pra ouvi-los e quando vimos já passava da hora para ir para a City Lights: o santuário beatnik, e muito provavelmente uma das livrarias mais legais do planeta. Dá pra ficar horas lá... e dá vontade de comprar tudo.


Após o evento de comemoração de 60 anos da City Lights, tomamos umas no não menos famoso Vesúvio, o boteco em frente à livraria. Depois andamos por Chinatown e seguindo as dicas de meu sábio amigo Samuel Monder, comemos no The House of Nanking: uma das melhores experiências culinárias que se pode ter na cidade. Sammy me advertiu de que, primeiro, não era para deixar me enganar pelo aspecto simples do restaurante. E segundo, para nem olhar o menu. A grande jogada é dizer ao garçom (que não raro é o dono do bar) para trazer o que melhor lhe convir. Dito e feito. Foi uma refeição impecável e uma revelação gastronômica inesquecível.

No pico de uma ladeira quase em frente ao Nanking se encontra a Coit Tower. Fomos direto pra lá. Mais subidas íngremes, escadarias, um elevador, 37 degraus e  tchanaaam, vista lá das alturas, e o sol se pondo em San Francisco! Espetáculo.

Estávamos exaustos. Descemos a pé da torre até a orla. Um caminho charmoso, cheio de becos e quintais de casas nas encostas dos morros. Ainda conferimos as instalações do America’s Cup de regatas. E finalmente, após mais um dia perfeito, pegamos o bonde de volta pra casa. Missão dominical cumprida com sucesso! 

3 comentários:

Ivo disse...

Pandinha linda

Quase tudo que vocês fizeram a pé ou de bike, nós fizemos de carro em 1997. Tenho certeza que vocês aproveitaram bem mais do que nós. Twinn Peaks, Coit Tower, Golden Gate Park, tudo de carro.
Acho que só no Vesúvio estávamos a pé.

Grande viagem vocês estão fazendo.

Beijos do Sogrão

Unknown disse...

Primeiro quero cumprimeta-los pelos 5 anos deste feliz casamento!
Que delicia de viagem e que delicia de narrativas. De alguma forma parece que estamos viajando junto, e relembrando o que fizemos 16 anos atras....
Divirtam-se muito passeando que nós por aqui nos divertiremos lendo e curtindo de montão.
Muitos beijos,
Fatimins

Panda Lemon disse...

Queridos sogrão e sogrinis!

Meus leitores assíduos, obrigada pelos comments =)

Esta viagem realmente superou todas as expectativas. Foi como uma segunda lua de mel! se tiver uma dessas de 5 em 5 anos, viveremos felizes pra sempre.

Bjos