sábado, 17 de setembro de 2011

Enquanto os homens jogam poker...



Enquanto isso, os homens se posicionam
Cinicamente nesta mesa redonda.
Eles distribuem suas cartas.

Small blind. Big blind.
Todos fazem suas apostas.
Uns fogem.

Engolem a seco, experimentam bebidas.
Riem e se divertem e gargalham e falam alto
E contam o quanto ainda resta de suas fichas.

Enquanto isso o tempo se esgota.
O dinheiro se esgota.
A sorte se esgota e, junto com ela
Esgotam-se as chances de ganhar.

A paciência e a vida um dia também vão se esgotar.
No entanto ninguém gosta de pensar nisso.
Portanto vamos. Vamos jogar!

*Poeminha dedicado ao Bruno e seus comparsas. 

Ps.: Nunca vi minha casa tão cheia de estranhos.

4 comentários:

Sogrão disse...

Muita gente estranha em casa, Pandinha poetando, mas o que realmente importa não sabemos: o dinheiro ficou ou foi embora junto com todos aqueles estranhos???

Beijos do Sogrão

talitazevedolemos@yahoo.com.br disse...

rsrs, o Sogrão fez a pergunta que nao quer calar:E o din din?!Foi-se com os estranhos? rsrs

Nao importa. Se os jogadores tiveram umas horinhas de inocente descontraçao, o dinheiro é o de menos...sem falar que o dono da casa é um gambler controlado e esperto, deixa o din din do jogo separado num cofrinho...e que curiosamente está cada vez mais cheio de moedas... rsrs

Panda Lemon disse...

No fim o saldo foi 18 dólares, de acordo com o cashier.

Pelo visto não pagou pelo bodum de tanto homem amontoado junto, hahaha! Bruno reclamou que tinham dois visitantes que fediam muito.

Eu como fiquei confinada no sótão, não senti cheiro nenhum.

Bjos!!!

Fatimoca disse...

Na próxima não convidem os fedidos, ou cobrem um extra hehe
Prefiro a morte ao cheiro forte!!!!
Uma beijoca