sábado, 21 de maio de 2011

Operação Tese de Mestrado: A Primeira Entrevista

Hoje oficialmente comecei as minhas entrevistas pra tese de mestrado. O primeiro entrevistado foi o jornalista, crítico musical e escritor Arthur Dapieve. Que ser humano incrível! Simpático, articulado, objetivo, foram 40 minutos de papo, com direito a um livro autografado no final, o que me deixou assim estonteante, pois o livro está esgotado nas lojas.


Como hoje de manhã devolvi o carro que tinha alugado, pela primeira vez me aventurei no transporte público do Rio. Entrei no ônibus e pedi pro motorista me dar um toque quando chegasse na rua das Laranjeiras, e o cara: claro, tudo bem.

O tempo foi passando e o ônibus desbravando ruelas cada vez mais suspeitas, e passando o túnel de Santa Bárbara era um favelão atrás do outro. Comecei a achar que o Dapieve não devia morar por lá... até que perguntei pro motorista: moço, ainda falta muito pra chegar nas Laranjeiras? E o cara botou as duas mãos na cabeça. Tinha me esquecido! Desci no próximo ponto, onde muitos milicos da PM estavam com suas metralhadoras em riste.  Puta da vida com o incompetente motorista, me joguei na frente de um táxi. O cara voou de volta pras Laranjeiras e ainda consegui chegar na casa do jornalista com 5 minutos de antecedência.

No fim tudo deu certo, e na volta vim conversando com um carioca malandro do morro, que ficou de me indicar o ponto em que eu deveria descer na Barata Ribeiro. Respondendo à sua pergunta se eu já tinha estado em uma favela, disse que não, e ele de quebra me convidou para ver o Cristo e a Lagoa de sua laje! De resto não entendi muito o que o cara dizia porque ele lhe faltavam alguns dentes. E Jesus não tem dentes no país do banguela... viemos comentando os novos armamentos da polícia civil, até que deu a hora de eu descer. Mas essa da laje foi oátima, com certeza a cantada de pedreiro mais original recebi. Malandro é malandro, mané é mané, e eu com o santo forte, sobrevivi às primeiras aventuras no Rio, e amanhã tem mais entrevista, e domingo tem show do Paul, e segunda Biblioteca Nacional.

3 comentários:

Ivo e Fátima disse...

Primeirão de novo - mas parece que a concorrência ultimamente anda meio adormecida...

Sogrão

Ivo e Fátima disse...

Pandinha linda

A história da cantada foi uuóóótimaaa!!!

Maravilha que a entrevista correu bem - com o teu carisma você a todos conquista e tudo sempre vai ser bom.

Sogrão

Panda disse...

Pois é sogrão! Meus leitores estão me pagando com a mesma moeda. Um semestre de desatualizações já bastou para os mal acostumar. Mas ainda bem que vc e a sogrinha e minha mãe e a minhirmã Cris - que tecem seus comments via facebook por causa de bloqueio de pop-ups que não sabem desativar - sempre estão aqui pra me dar um apoio. Taninho comenta pelo Buzz. Então assim, estou certa de que apesar do silêncio meus leitores assíduos continuam me lendo. O que é bom! Bjos e obrigada pelo carinho!!! Amo vcs!!! Bjos