domingo, 28 de março de 2010

Moody Blues em Charlotte


Segunda-feira (22 de março) fomos num show do Moody Blues que seria supostamente aberto pelo Joe Cocker, num lugar que supostamente era para ser o melhor teatro de Charlotte. Eu nunca ouvi falar de Moody Blues, mas Joe Cocker é com certeza um dos meus ídolos musicais, portanto, nem cogitei um não como resposta para o convite de meu amado marido, mesmo sabendo que agora é tempo de economizar.

Como bons brasileiros, chegamos no Belk Theatre em cima da hora, e por sorte conseguimos três ingressos - o Arthur também foi - na última fileira, lá nas alturas do teatro. Com desconto porque eu tinha carterinha da UNC. Depois de subirmos alguns lances de escada, adentramos na escuridão do autitório quando o show - que não era do Joe Cocker - já havia começado. Era o Moody Blues, numa formação maluca de dois bateristas, o baixista, o guitarrista, duas garotas que cantavam, tocavam violão, flauta transversa, meia lua e teclado, além de um outro tecladista.

O Bruno falou que o Moody Blues é uma das bandas prediletas da Raquel e do Alexandre, casal figurassa que curte bons sons, inclusive a música que tocou no casamento deles lá pro fim da década de 70, era da banda. Então, apesar da decepção do Joe Cocker ter sido apenas um boato - ou melhor, um mal entendido - achei que o show valeu a pena mesmo assim. Na pior das hipóteses só fazer uma homenagem pro querido casal, já tá valendo... Uma homenagem ou uma invejinha? Enfim. Prefiro homenagem, a lembrança, afinal de contas ficamos pensando que se os dois estivessem lá o show teria sido bem mais legal!

A banda mandou muito bem, músicos de talento, muita qualidade, mas as músicas em si, se bem que algumas só, não foram do meu gosto. Achei interessante a relação que fiz, logo no começo do show, entre baixista John Lodge (posudo bragarai) e o Gabba, baixista (posudo bragarai) da minha primeira banda lá nos idos dos 90. Pra mim, lembrar do Gabba, que hoje vive nas Zoropa, é lembrar daquela frase que ele sempre dizia: "mantenha a fé". E adivinhem com que frase o baixista londrino do Moody Blues se despediu no show? Keep the faith! Muita coisa fez sentido.




O mais legal de tudo foi ver os velhinhos, não só os "coroa", mas velhinhos mesmo, com os filhos, com os netos, curtindo um rockão meio hard-progressivo. Sentados, né, afinal estávamos num teatro. O público muito diversificado, bem educado, afinadinho cantando junto, foi muito legal de ver! E por falar em velhinhos, aqui eles trabalham recebendo as pessoas no teatro. As senhorinhas todas uniformizadas, dando informações, recebendo os tickets, guiando a galera pras portas corretas. Aqui os velhinhos têm não somente vida social, como também vasta oferta de emprego. Isso é muito legal!

E foi isso. A frustração do Joe Cocker foi no fim um mal entendido entre o Bruno e um funcionário da empresa, que depois esclareceu: ele vem em maio, dia 7, pra abrir o show do Tom Petty!!! Será que a gente vai? Acho que sim!

5 comentários:

Ivo e Fátima disse...

Primeirão

Sogrão

Ivo e Fátima disse...

Pandinha linda

Pois é - quando aqui na nossa Curitiba a gente conseguiria assistir a todos os "concerts" que vocês estão indo. Alguém consegue imaginar um produtor trazendo Moody Blues prá cá?

Você sabia que no advento da era CD "doei" todos os meus vinis do Moody Blues para a Raquel e o Alex? E neles falando, se não em engano a música de entrada deles na igreja foi "Nights in White Satin" - tocaram?

Mudando de assunto, uma vez fazerndo um check-in em algum aeroporto, a atendente teve que chamar a supervisora que era uma dessas velhinhas que você falou. Daí eu comentei com ela como achava legal que tantos "seniors" ainda trabalhavam por lá. Legal nada, disse ela, com a aposentadoria que nos pagam, se não trabalharmos não conseguimos viver... Países diferentes, problemas iguais.

Beijões

Sogrão

Panda disse...

Hai ragione, caro suotero... mas pelo menos aqui eles têm essas ofertas de trabalho pra compensar a miséria da aposentadoria né...

vou pesquisar o set list do show na internet e conferir se eles tocaram essa música ou não, depois te falo!!!

bacio.

Panda disse...

Ifinha! Então, como não consegui achar o set list, resolvi escutar a música e ver se eu reconhecia.

Sim, eles tocaram essa música e foi uma das que a platéia mais conhecia. Um clássico.

Tb tocaram Tuesday Afternoon, e essas foram as duas músicas que eu já conhecia. Outras me soaram familiar. Outras ainda, soaram como uma mistura de new wave com new age, sabe? Trilha sonora do Avatar? Então...

Mas enfinzis.

Panda disse...

E-mail da Raquel após não ter conseguido postar comentário com yahoomail:

Oi,Xandinha e Bruno,

tudo bem ?????

O blog de vcs. não gostou do meu e-mail,por mais que eu encolhesse a mensagem,sempre parecia grande...

Interessante ir ver o velho Joe e acabar assistindo Moody Blues...Totalmente incompatível em expectativas,acho que eu ficaria muito puta!!!!!!!

Mas valeu,prá lembrarem de nós,apesar que hoje,acho que eu preferiria assistir ao Joe do que o Moody.

Só prá complementar,a música do casório foi Nights in White Satin,que me arrepia,sim,até os cabelinhos do c....até hoje!!!!!!!!

Então,felicidades de montão na nova casa,e preparem-se prá ir conhecer nossas próximas novas casas em B.Aires,ok?