sábado, 16 de agosto de 2008

Jueves: La Provincia de Buenos Aires

Hoje saímos da capital federal argentina, a cidade de Buenos Aires, para conhecer suas cercanias, outras cidadezinhas que ficam na Buenos Aires província. Ao todo, o país é formado por 23 províncias, o que corresponderia aos nossos estados. A longo da Avenida 9 de Julho - a mais larga da América do Sul - há 23 praças entre as pistas, que representam as províncias do país.

Ao sair da cidade, beiramos o Rio da Prata, que separa a Argentina do Uruguai e cuja margem oposta não se pode ver. Na região mais periférica da cidade está o Aeroporto para vôos domésticos e o gigantesco estádio do River Plate, com capacidade para mais de 80 mil torcedores.

As cidadezinhas na província são mais parecidas com lugarejos europeus. A vegetação ajuda a criar esse clima "Europa". Geralmente elas têm somente uma rua principal, uma avenida que é o centro comercial da cidade, e as ruas transversais e paralelas são residenciais. Casas muito chiques, por sinal.

Em Tigre, fizemos o famoso passeio pelo delta do rio Paraná. Uma hora de barco para percorrer 15 km de micro-ilhas, onde os argentinos mais abonados têm sua casa de campo e seu barco. No começo o passeio é legal, mas depois foi ficando entediante. O Bruno até dormiu, tadinho.

Culpa do guia que não parava de se repetir. Poxa, nem tem muito o que falar... é um rio, umas ilhas, umas casas, pronto. Cala a boca! Mas não. Ele não parava de falar, e falava dez vezes as mesmas coisas. Dez vezes! As mesmas coisas! Como eu disse, ele falava dez vezes as mesmas coisas. Vêem? Era assim que ele fazia.

Voltamos pra BsAs ciudad às duas da tarde, e pedimos pra ficar perto dos museus. Fomos no MALBA, no Museo Nacional de Belas Artes, no Museo de Design e no cemitério da Recoleta, que além da arquitetura dos mausoléus, oferece a curiosidade de ser habitado por dezenas - ou quem sabe centenas - de gatos. Serão as almas penadas? O Bruno diz que sim.

De noite fomos só no La Diosa, uma casa noturna que fica num lado meio obscuro da cidade (na beira do Rio da Prata), e que mais parece ser um bar de beira de estrada, pra caminhoneiros. Só jantamos e caímos fora.

Nenhum comentário: