segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

16/12/2007 - Caipirinha neles!


Durante o dia não fiz nada além de ficar recortando figuras e palavras de revistas pra colar na parede. Meu quarto é tão vazio, tão sem graça, então resolvi aproveitar a ociosidade e a solidão para enfeitá-lo. Como enfeites de Natal custam caro por aqui, usei a criatividade e improvisei um canto natalino. Não canto de canção, canto de cantinho mesmo.


Meu canto natalino

Também criei algumas poesias concretas… ê, falta do que fazer… fico aqui só olhando para as paredes mesmo, então, por que não enchê-las de figuras e palavras? Tá ficando legal! A Amber chegou e gostou das pequenas mudanças, e realmente, elas fazem uma diferença...


Olhar pras paredes agora é menos entediante.

De noite tava deprê. Queria sair. Mas todo mundo trabalha na segunda, e eu só começo a trabalhar na terça, então seria a minha grande chance de curtir uma balada antes de dar duro. Mas sozinha não tava afim. Fiquei em casa, esparramada pelo chão mais do que batatinha quando nasce, ouvindo e deletando alguns arquivos do meu gravador para dar espaço para novas canções. Deu uma saudaaaade, ouvir a voz do Bruno, do Caetano, da Eliza, da Deza, do Zé Ivan (a gente jogando imagem e ação, tem gravado quase uma hora de bobagens!), a Cosmonave no rádio, eu e o Fábio Elias e as nossas canções do Cansei de ser Pobre (um projeto musical que nunca saiu da mesa do bar), então fiquei aqui me torturando com lembranças do Brasil. Ah! Mas o que eu ri!!! Enfim! Foi mais um conforto do que uma tortura.



Lá pelas oito da noite a Britney apareceu com três gurizinhos aqui em casa e uma vodka. Eu tinha comprado limões pra temperar salada e fazer limonada suíça, mas diante daquela garrafa de vodka tive a grande idéia de introduzi-los ao mais famoso brazilian drink, a Caipirinha. Nem preciso falar que eles adoraram e enlouqueceram no segundo copo.

E os limões acabaram mas a festa tinha só começado. Fomos então para o outro bloco, na casa do Solar e do Dusting, creio que já falei desses amigos (ver post 14/12/2007). Lá fizemos o de sempre, jam session com cerveja.


Jimmy and Dusting


E desta vez lembrei de levar a máquina!

Wilder, um guri de 18 anos que detona no violão, mas diz que seu instrumento de verdade é a bateria.

Solar, Paul and Britney.

Nenhum comentário: